Sindicatos ainda estão na moda

Data de publicação: 8 Mar 2024


Por Bryesen Cooper

Sindicatos na moda? A primeira coisa que a maioria das pessoas pensam quando ouvem a palavra “moda” não é sindicatos. Da mesma maneira, quando as pessoas ouvem sobre sindicatos, eles normalmente não pensam sobre moda. Apesar disso, os dois estão inextricavelmente ligados via uma chave principal: os trabalhadores.

Recentemente entrevistei Justine Medina, uma mulher cubana-americana, ativista e operária, organizadora do Sindicato da Amazon, no Centro de Atendimento JFK 8 da Amazon, em Staten Island, N.Y.  e ela ajudou a esclarecer o que os sindicatos fazem e por que eles são importantes.

“Um sindicato é simplesmente uma organização de trabalhadores”, disse Medina. “Eles são formados dentro e através dos locais de trabalho pelos trabalhadores para defender seus direitos, tais como um tratamento adequado e salários justos, mas eles podem e frequentemente lutam por tratamento justo mais amplo e expansivo para os trabalhadores”.
Então, como os sindicatos se encaixam na indústria da moda?

Se organizar está na moda

Como acontece, algumas das mais velhas e poderosas organizações de trabalhadores na história dos EUA foram sindicatos de têxteis e vestuário, do Sindicato de Trabalhadores do Vestuário Feminino (ILGWU), ao Sindicato dos Trabalhadores Têxteis da América (TWUA), e muito mais.

Essas organizações, que frequentemente representam principalmente mulheres e imigrantes, foram responsáveis pela legislação das fábricas, leis de segurança, leis de práticas trabalhistas justas e leis trabalhistas para mulheres e crianças – e elas fizeram tudo isso através do poder de greves e organização.

Embora esses exatos sindicatos não existam mais sob esses nomes, os trabalhadores de vestuário e moda de hoje são representados por uma variedade de organizações, como o Workers United, Unite Here, Retail, Wholesale e Sindicato das Lojas de Departamentos (RWDSU) e outros.

“Quando mais bem-sucedidos, os sindicatos são frequentemente liderados por militantes e operários”, de acordo com Medina. “Eles apoiam outros trabalhadores entre sindicatos e trabalham juntos em aliança para lutar para mudar outras questões políticas também”.

“Sindicatos”, ela disse, “são chave para em última análise mudar a sociedade, porque eles lutam contra a opressão à vista da produção capitalista” – a força econômica que move nossa sociedade.

“Sindicatos e sindicalistas sempre desempenharam um papel indiscutível nos direitos civis, direitos humanos e políticas socialistas revolucionárias, em todos os lugares que você encontra essas lutas globalmente”, argumentou Medina.

A solidariedade da próxima temporada

Sindicatos, é claro, ainda estão na moda, e parece que eles vão estar na próxima temporada também.

Quando ligamos nas notícias ou checamos as mídias sociais, é difícil não notar o aumento de trabalhadores em greve por todo o país. Seja o SAG-AFTRA e a Guilda de Escritores da América, Trabalhadores do Starbucks, os 340.000 fortes do UPS Teamsters fazendo piquetes de treino, ou os 140.000 Trabalhadores Automobilísticos Unidos atingindo a linha de piquete, é tudo trabalho organizado que está usando a moda para avançar seus objetivos.

Quando olhando para esses trabalhadores em greve, você vai ver que camisas combinando, jaquetas, chapéus e bottons promovendo sua organização estão na frente e centro, e isso é de propósito.

“Frequentemente, as camisas e bottons de sindicatos são usados estrategicamente durante uma campanha específica, como quando eles estão construindo uma greve”, Medina explicou. “Trabalhadores e organizadores vão coordenar todos os membros do sindicato no local de trabalho para usar a mesma camisa em solidariedade em um certo dia, para sinalizar uma ameaça à empresa [para tentar forçar as exigências] e mostrar uns aos outros que o apoio ao sindicato é forte.”

Sindicatos em tendência

O uso de roupas de sindicato até aumentou em tendência, quando a Geração Z é mais pró-sindical que qualquer outra geração, com sindicatos tendo uma taxa de média de aprovação de 64,3%, comparado a millenials em 60,5%, Geração X, 57,8%, e 57,2% para Baby Boomers.

A prevalência de roupas de sindicatos nas tendências recentes cresceu. Uma roupa de grife se torna cada vez mais difícil de pagar, os sindicatos e as roupas feitas por eles estão chamando a atenção das pessoas. Certamente não é raro ver alguém online ou em pessoa agitando um chapéu de sindicato ou uma jaqueta bomber.

Fazer par com uma camisa vintage da AFL-CIO SAG-AFTRA e calças cargo, talvez jogar um chapéu do Teamsters também. Ou, agitar uma jaqueta dos Trabalhadores Automobilísticos Unidos com uns dos aparentemente sem fim sortimentos de bottons de sindicatos! Não gosta de streetwear? Tente usar os vestidos vintage do ILGWU e jaquetas online para ver se eles servem ao seu estilo.

Embora muitas marcas de roupas mudaram sua produção para o exterior – acabando com empregos, quebrando sindicatos e explorando trabalho barato e desprotegido – ainda há várias maneiras que você pode apoiar os sindicatos e as roupas feitas por eles.

As marcas de roupas feitas por entidades incluem: Justice Clothing, Demoulin Apparel, Kenneth Gordon, Leather Coats, Sterling Wear, Union Shirts Supply, Ethix Supply, e mesmo uma porção de trabalhadores da Carhartt está organizada sob o sindicato UFCW, entre outras modas sindicalizadas e marcas de vestuário.

Então saia e represente seus companheiros trabalhadores e faça isso com estilo!

Bryesen Cooper é estudante, ativista comunitário e advogado trabalhista do Missouri.

Fonte: People’s World
Tradução: Luciana Cristina Ruy
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top