Centrais fazem manifestação na embaixada da Argentina pela greve no país

Data de publicação: 24 Jan 2024


Nesta quarta-feira (24) a classe trabalhadora argentina, em greve geral paralisa o país em protesto contra atos neoliberais de Javier Milei, recém empossado presidente da Argentina.

Os protestos transcenderam as fronteiras e as lideranças sindicais brasileiras, foram para a frente da Embaixada do País Argentino em Brasília para protestar contra os atos do governo e apoiar as ações dos trabalhadores e trabalhadoras do país vizinho.

A Nova Central Sindical e a CUT, lideram o movimento em frente à embaixada, onde várias lideranças sindicais e populares, se manifestaram em apoio a greve.

Falando em nome da NCST – Nova Central Sindical, o Presidente da entidade Moacyr Roberto Tesch Auersvald, levou o apoio da central e das entidades sindicais filiadas ao povo argentino, em especial à classe trabalhadora para que não abram mão de lutar pelos direitos da classe trabalhadora daquele país que seu governo está surrupiando os direitos principalmente de quem contribui com a força do trabalho para a recuperação da economia de o emprego.

“Não pode acontecer na Argentina, o que foi peito pelos presidentes Temer e Bolsonaro que deterioraram o movimento sindical brasileiro e os direitos da classe trabalhadora brasileira” destacou Moacyr em seu pronunciamento.

O Presidente da CONTRATUH – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade e diretor de finanças da NCST, Wilson Pereira, em sua manifestação, destacou a importância da resistência dos trabalhadores e do movimento sindical argentino as propostas do governo recentemente eleito no país Platino. “Quero registrar nossa solidariedade a todos os trabalhadores daquele país, e, em especial aos pasteleiros, aos de hotelaria, gastronomia e de alimentação, condomínios imobiliárias, e, em entidades beneficentes.

Wilson, ainda destacou que Gol, Latam e outras companhias aéreas cancelaram os voos que tinham hoje para Buenos Aires. “Disse que isso não é porque as empresas apoiam o movimento, mas sim, pelo reflexo das paralisações e manifestações que ocorrem hoje no país vizinho.

Nas falas do presidente Wilson da Contratuh e do Moacyr da Nova Central, ficou evidente que os apoios da UITA, da UNI e da UITC como organizações de representação mundial, tem importância fundamento nesse levante da classe trabalhadora Argentina em defesa dos seus direitos.

A Diretora da mulher da NCST e da CNTI – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Industria, Sonia Zerino, levou o apoio da confederação que é diretoria, e de forma especial a força da mulher “as irmãs argentinas”.

“As manifestações de hoje que ocorreram em todo o Brasil, tem o objetivo de alertar que Argentina e Brasil, assim como em todos os países onde tem democracia não é aceito a escravidão. E, que não havendo respeito as entidades sindicais e sindicalismo forte, não há democracia, e a escravidão é consequência” disse o Presidente da NCST, Moacyr Roberto”


 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top