Desemprego fica estável no trimestre encerrado em janeiro, em 8,4%, diz IBGE

Data de publicação: 17 Mar 2023

Anúncios de emprego no centro de São Paulo. REUTERS/Amanda Perobelli
Da CNN Brasil 

A taxa média de desemprego no Brasil ficou em 8,4% no trimestre encerrado em janeiro, mostrando estabilidade em comparação com período imediatamente anterior (que vai de agosto a outubro), quando a taxa foi de 8,3%, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (17).

O resultado é o menor para o período desde 2015. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, houve queda de 2,9 pontos percentuais (p.p.).

O mercado esperava que a taxa atingisse 8,3% no período, segundo pesquisa da Reuters.

“Essa estabilidade ainda seria uma repercussão da redução da procura por trabalho nos meses de novembro e dezembro de 2022 sobre o início de 2023″, explica Adriana Beringuy, coordenadora da Pnad Contínua, em nota.

O contingente de pessoas desocupadas no trimestre foi de 9 milhões, o mesmo do trimestre encerrado em outubro, mas com registro de queda de 3 milhões de pessoas na comparação anual, quando havia 12 milhões de pessoas nessa condição, diz o instituto.

O contingente de pessoas ocupadas, por outro lado, registrou uma queda de 1 milhão de pessoas no período, indo para 98,6 milhões de pessoas, após uma sequência de expansão durante 2022.

“Esse efeito conjugado entre a estabilidade da população desocupada e retração do número de trabalhadores deixou a taxa de desocupação estável”, ressalta Beringuy.

O nível de ocupação, que mede o percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 56,7%, igualando o percentual alcançado no mesmo trimestre de 2016.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o contingente de ocupados segue crescendo, com alta de 3,4%. “Observamos, assim, dois panoramas: em uma análise de mais curto prazo é observada uma queda na formação de trabalho enquanto no confronto com um ano atrás o cenário ainda é de ganho de ocupação”, afirma Beringuy.

Renda sobe

O rendimento real habitual do brasileiro cresceu 1,6% no período, para R$ 2.835. Na comparação anual, a alta foi de 7,7% na comparação anual.

“Há alguns trimestres observamos um crescimento importante no rendimento dos trabalhadores, com o trimestre encerrado em janeiro sendo a terceira observação”, destaca Beringuy.

Entre os setores que influenciaram no crescimento trimestral, a especialista destaca a atividade de Alojamento e alimentação, que teve um aumento de 7%, Administração pública, saúde e educação, com aumento de 3,1%, e serviços domésticos, que expandiram o rendimento real em 2,2%.

“No confronto anual, todas as atividades tiveram um ganho estatisticamente significativo dos seus rendimentos”, diz Beringuy.

Números de desalentados cai

O contingente de pessoas desalentadas, aqueles que gostariam de trabalhar, mas que não buscaram trabalho por não entenderam que teriam êxito, recuou 5,3% (220 mil pessoas,) no trimestre encerrado em janeiro, totalizando aproximadamente 4 milhões.

Na comparação anual, o contingente caiu 16,7%, quando havia no Brasil 4,8 milhões de pessoas desalentadas.
A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top