Lula é eleito presidente pela terceira vez, na votação mais apertada da história

Data de publicação: 31 Out 2022

Foto: RBA 


São Paulo/ Redação RBA  – Luiz Inácio Lula da Silva, 77 anos, foi eleito pela terceira vez presidente do Brasil, 20 anos e três dias depois de sua primeira vitória. Na disputa mais acirrada da recente histórica republicana brasileira, o petista terminou a apuração com 50,90% dos votos válidos, contra 49,10% de Jair Bolsonaro (PL). Com 99,99% das urnas apuradas, o candidato do PT estava com 60,3 milhões de votos (60.345.737). O atual presidente, 58,2 milhões (58.206.251). Assim, de nove eleições presidenciais no pós-ditadura, Lula venceu três, um feito inédito.

Foi uma votação ainda mais apertada que a de 2014. Naquela eleição, Dilma Rousseff foi eleita com 51,64% (54,5 milhões de votos), ante 48,36% (51 milhões) ao então senador Aécio Neves (PSDB).

Se em 2014 Dilma passou à frente às 20h27, neste ano a “virada” de Lula ocorreu exatamente às 18h44. A esta altura, já estavam apurados quase 68% dos votos. A partir daí, o petista manteve-se à frente, abrindo ligeiramente a vantagem. E contrariando o ministro bolsonarista Ciro Nogueira, que às 18h19 previa vitória do atual presidente com 50,09%.

Sem reeleição

Assim, pela primeira vez desde 1989, quando os brasileiros recuperaram o direito do voto, um presidente da República não consegue a reeleição. Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi eleito em 1994 e reeleito em 1998. Lula, em 2002 e 2006. E Dilma, em 2010 e 2014.

Foi uma campanha mais uma vez, como em 2018, recheada de fake news, que a Justiça Eleitoral mal conseguiu dar conta de rebater. E com a “novidade” do assédio eleitoral, com empresas, em prática criminosa, tentando constranger o direito de voto de seus funcionários. Até hoje, o Ministério Público do Trabalho (MPT) contabiliza quase 2.500 denúncias, 12 vezes mais do que em 2018.

Bloqueio no acesso ao voto

O domingo ainda reservava surpresas. A Polícia Rodoviária Federal (PRF), comandada por um bolsonarista, desencadeou uma operação pelo país, mas principalmente no Nordeste, a pretexto de flagrar transporte ilegal de eleitores, mas na verdade dificultando o acesso às urnas onde Lula era favorito. “Estão golpeando a eleição”, chegou a dizer o professor Lenio Streck. “Nem na ditadura o voto foi tão obstruído. Controlado. Há vários modos de dar golpe de Estado.”

Eleito, Lula sabe que terá dificuldades no Congresso, de maioria conservadora, e também nos estados. Na Câmara, o PL, do atual presidente, fez 99 cadeiras. E na eleição concluída neste domingo, a maioria das unidades da federação deu vitória a candidatos ligados ao bolsonarismo. “No primeiro turno, quando havia onze candidatos na disputa, 92% dos eleitores votaram em Lula ou em Bolsonaro, refletindo a clara polarização da vida política brasileira”, diz o jornal Le Monde.

Acreditas-se, desse modo, que a taxa de abstenção, na casa de 20,5% – quase 32 milhões de votantes não compareceram –, poderia ter sido menor.

Vontade da mudança
O presidente eleito conseguiu, no entanto, construir um acordo de alianças, incluindo o MDB de Simone Tebet, terceira colocada no primeiro turno, e o PDT de Ciro Gomes, quarto colocado. Sem contar a própria formação de sua chapa, que contou com o ex-governador paulista Geraldo Alckmin, agora no PSDB.

Uma manifestação afetuosa – e que de certa forma sintetiza a expectativa mundial – veio da cantora portuguesa Teresa Salgueiro, ex-integrante do grupo Madredeus. “Que vença de forma expressiva a vontade da mudança, por um país que celebre a cada dia a sua imensa diversidade e saiba construir a harmonia entre as suas inúmeras diferenças, que possa premiar a luta incansável do seu povo sofrido e trabalhador, de alma tão criativa e generosa. Que possam celebrar a sua ancestralidade que tanto tem a ensinar a todo o mundo. (…) E em que a palavra liberdade seja usada como respeito ao próximo e não confundida com a possibilidade de agredir seja quem for. A vossa escolha é decisiva para a manutenção da democracia e terá um enorme impacto em todo o planeta.”

Fonte: Rede Brasil Atual (RBA)


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top