Brasil supera 615 mil mortos por covid-19, enquanto ômicron avança no mundo

Data de publicação: 3 Dez 2021


Diante do avanço da variante ômicron do coronavírus, São Paulo reduz intervalo para a terceira dose e mantém obrigação do uso de máscaras

 
Pessoas infectadas anteriormente podem desenvolver a doença. Em especial a variante ômicron - Foto: Jorge Leão


O Brasil superou ontem (2) a marca de 615 mil mortes por covid-19 com as 615.176 novas vítimas registradas nas últimas 24 horas. Isso sem contar a ampla subnotificação. Os dados são do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass). No mesmo período, foram contabilizados 12.910 novos casos, totalizando 22.118.782 desde o início do surto, em março de 2020. Destes, ao menos cinco foram confirmados como sendo da mais recente variante, a ômicron.

 
Números da covid-19 no Brasil. Fonte: Conass


A disseminação da cepa, possivelmente mais contagiosa, provocou uma disparada nos casos na África do Sul, primeiro país a reportar a variante. A ômicron possui alto número de mutações na proteína Spike, o que pode torná-la mais infecciosa; entretanto, faltam estudos a respeito. Na terça-feira, os sul-africanos notificaram 8.600 casos, diante de 1.300 no mesmo dia da semana anterior. Autoridades locais apontam que a variante já corresponde a 74% dos sequenciamentos genéticos feitos no país.


Origem da ômicron


Embora cientistas da África do Sul tenham descoberto a variante, ainda existem dúvidas sobre sua origem. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou não saber ao certo a procedência. Na Holanda, autoridades identificaram infecções pelo vírus mais de dez dias antes do alerta sul-africano, o que revela que o vírus pode estar circulando na Europa há bem mais tempo. No velho continente, o Centro Europeu para a Prevenção e o Controle das Doenças prevê que a cepa será dominante nos próximos meses.

Diante deste cenário, a OMS afirmou que fechar fronteiras para determinados países não é correto. Trata-se de uma medida “preguiçosa”, de acordo com especialistas. “As medidas (de restrição) podem incluir triagem de passageiros antes da viagem e/ou na chegada, e uso do teste para SARS-CoV-2 ou quarentena de viajantes internacionais após avaliação de risco completa”, informa a entidade. Mais correto também seria cobrar comprovante de vacinação para a entrada no país; entretanto, o presidente Jair Bolsonaro é contra, inclusive às vacinas. Ele mesmo não se vacinou.

Além de disseminar mentiras sobre a segurança e eficácia das vacinas, Bolsonaro afirma que não se vacina pois já foi infectado. Trata-se de outra desinformação. Pessoas infectadas anteriormente podem desenvolver a doença. Em especial a variante ômicron. “Achamos que um contágio anterior não protege contra a ômicron”, disse Anne von Gottberg, especialista em doenças infecciosas do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul (NICD).


Vacinas eficazes


Contudo, acredita-se que as vacinas sigam conferindo imunidade contra a variante. Estudos ainda estão em andamento, mas já existem resultados preliminares que apontam neste sentido. Logo, o correto é acelerar com a vacinação, em especial, combater a desigualdade vacinal. Enquanto países mais ricos possuem vacinas de sobra, menos de 5% dos habitantes do continente africano estão imunizados.


Vacinação em SP


No sentido de acelerar a vacinação, o governo de São Paulo anunciou a redução do intervalo entre a segunda dose e a terceira, de reforço, de cinco para quatro meses. A valer a partir de hoje. “Além do cenário epidemiológico ao redor do mundo, a medida levou em consideração que São Paulo é porta de entrada, via portos e aeroportos, de pessoas de todo o mundo e o Brasil ainda não tem a obrigatoriedade da apresentação de comprovante de esquema vacinal completo para os viajantes”, informou o governo em nota.

Também pesa a proximidade de eventos tradicionais que contam com aglomerações, como o Natal e o Réveillon. “O estado tem hoje condições logísticas e técnicas de ampliar a vacinação e reduzir o intervalo de aplicação das doses para que todos possam estar ainda mais protegidos. Vale ressaltar também a necessidade de quem não tomou ainda a segunda dose, retorne aos postos de saúde para se imunizar”, disse o secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn. No mesmo dia deste anúncio, o governo recuou na desobrigação do uso de máscaras em locais abertos.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top