André Mendonça passa nos dois testes do Senado e ganha cadeira no STF

Data de publicação: 2 Dez 2021


Plenário aprovou nome do ex-ministro de Bolsonaro por 47 X 32; menções ao perfil evangélico do advogado tiveram destaque

 
André Mendonça foi sabatinado por cerca de 8 horas pela CCJ antes da votação de sua indicação - Marcos Oliveira/Senado


por Cristiane Sampaio
edição de Anelize Moreira



O plenário do Senado aprovou, na noite desta quarta-feira (1º), o nome do ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União André Mendonça para compor o Supremo Tribunal Federal (STF).

Os parlamentares chancelaram a proposta do presidente Jair Bolsonaro (PL) por um placar de 47 votos a 32, sem abstenções. O aval ao nome do advogado dependia de um mínimo de 41 apoios. Mendonça irá ocupar a vaga do ex-ministro do STF Marco Aurélio Mello, que deixou a Corte em julho deste ano por ter se aposentado compulsoriamente.

Pouco antes da apreciação da pauta pelo plenário, a indicação de Mendonça havia recebido sinal verde também da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, em uma disputa que terminou em 18 votos a nove, primeiro teste político do advogado na Casa.    

A votação de indicados à Corte é secreta, por isso não é possível identificar o posicionamento de cada senador. As duas votações foram precedidas por uma sabatina de cerca de oito horas na CCJ, que veio depois de um longo percurso enfrentado por Mendonça e marcado pela resistência política de parte dos senadores ao nome do ex-ministro, que também é pastor evangélico.

Após ser indicado por Bolsonaro, ele chegou a ficar mais de 100 dias na geladeira até que o presidente da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP), promovesse de fato a audiência. A sessão se deu entre afagos de evangélicos e outros bolsonaristas, bem como teve pontos de conflito com parlamentares contrários ao nome do ex-AGU.

A mensagem presidencial nº 36/2021, que oficializou a indicação do nome de Mendonça por parte de Bolsonaro, chegou ao Senado em 18 de agosto.


Sabatina


A jornada pré-sabatina do ex-ministro foi marcada pelo abandono da pauta por parte de aliados bolsonaristas e mesmo do presidente da República, que, nos bastidores, teriam deixado para escanteio as investidas em torno da aprovação do nome, apesar de algumas declarações públicas nesse sentido.  

O mesmo não ocorreu com parlamentares evangélicos, que oxigenaram as articulações para tentar emplacar o nome do ex-advogado-geral da União na Corte. A sabatina, inclusive, foi acompanhada pelo ex-senador Magno Malta e pelos deputados Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) e Marco Feliciano (PL-SP).

Eles estão entre os atores políticos do segmento que fizeram coro pela aprovação de Mendonça. Desde 2019, ao falar sobre indicações de nome para a Corte, o presidente Jair Bolsonaro vinha dizendo que sugeriria um ministro “terrivelmente evangélico” para o STF.

O perfil evangélico do ex-ministro da Justiça foi destaque recorrente entre as manifestações de parlamentares durante a sabatina. Carlos Portinho (PL-RJ) e Flávio Bolsonaro (PL-RJ), por exemplo, teceram loas à inclinação religiosa do ex-AGU.

“Sou testemunha da sua lealdade não a pessoas, mas a princípios. Princípios judaico-cristãos. Ninguém aqui vai ser surpreendido quando o senhor estiver exercendo essa importante função no STF, porque todos sabem o ‘pacote’ que traz consigo”, disse o filho do presidente da República, que optou por não fazer perguntas a Mendonça. 

 
André Mendonça durante coletiva de imprensa concedida após resultado final da disputa / Jefferson Rudy/Agência Senado


O futuro membro da Corte também faz constantes referências a elementos que demarcam sua relação com tema. “Na vida, a Bíblia. No Supremo, a Constituição”, declarou, por exemplo, logo no início da sabatina. Ele também disse ter “gratidão” aos líderes evangélicos.


Temas


O ex-ministro foi provocado ainda a falar sobre diferentes temas que acirram a polarização política. Um dos pontos abordados diz respeito ao sistema democrático. Ao ser questionado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) sobre sua posição em relação a falas e posturas antidemocráticas, Mendonça afirmou que, no Brasil, diferentemente do que ocorreu em outros países, a democracia não teria sido conquistada com “sangue derramado”.

A declaração pegou mal diante dos senadores porque despreza a existência de capítulos sangrentos da história do país. Foi o que ocorreu, por exemplo, durante a ditadura militar, quando muitos opositores do regime foram torturados e mortos. O caso foi lembrado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que cutucou Mendonça ao lembrar que houve “434 mortos, milhares de desaparecidos, 50 mil presos, 20 mil brasileiros torturados, 10 mil atingidos por processos e inquéritos, 8350 indígenas mortos”.

 
André Mendonça é associado à ideia de nome “terrivelmente evangélico” que Bolsonaro havia prometido como indicação ao STF / Marcos Oliveira/Agência Senado


“O deputado federal Rubens Paiva, quando fez discurso em defesa do presidente João Goulart, teve seu mandato cassado, casa invadida, foi preso e torturado até morrer. Nossa democracia, senhor André, também foi construída em cima de sangue, mortes e pessoas desaparecidas. É inaceitável negar a história", acrescentou o parlamentar.  

Após a repercussão negativa da fala, Mendonça pediu desculpas e disse que “pode ter sido mal interpretado”. Contarato questionou o ex-ministro a respeito de outro tema considerado espinhoso para o pastor evangélico: o casamento entre homossexuais.

 “Tenho minha concepção de fé específica. Agora, como magistrado da Suprema Corte, tenho que me pautar pela Constituição. Eu defenderei o direito constitucional do casamento civil das pessoas do mesmo sexo”, disse o advogado, ao ser perguntado se é a favor da pauta.



Fonte: Brasil de Fato
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top