Redução das desigualdades é essencial para erradicar aids até 2030, diz ONU

Data de publicação: 2 Dez 2021


Secretário da Assembleia da ONU destaca que é preciso “reforçar a cooperação internacional e a solidariedade na luta contra o HIV, contra a covid-19 e em qualquer questão de saúde pública que proteja nosso povo”

 
Com a covid-19, os ganhos que conquistamos para acabar com a aids correm o risco de serem perdidos - Foto: CC.0 Wikimedia


O presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na reunião realizada no Dia Mundial de Combate à Aids, Abdulla Shahid, ressaltou a necessidade urgente de acabar com as desigualdades que impulsionam não só a doença causada pelo vírus HIV, mas também outras pandemias, como a da covid-19, em todo o mundo. Sem uma ação ousada contra as desigualdades, o mundo corre o risco de não cumprir as metas para erradicar a aids até 2030.

“Devemos reforçar a cooperação internacional e a solidariedade na luta contra o HIV, contra a covid-19 e em qualquer questão de saúde pública que proteja nosso povo”, disse ele.

A reunião acontece duas décadas após o marco da Sessão Especial da Assembleia Geral sobre a doença, que foi a primeira sobre uma questão de saúde realizada pela entidade. Desde então, a doença conta com tratamentos eficientes, no entanto, nem sempre acessíveis a todos.

“Este encontro é uma oportunidade para discutir como a experiência de luta contra o HIV/Aids pode informar e orientar respostas eficazes, sensíveis aos direitos humanos e centradas nas pessoas a doenças infecciosas, como a covid-19”, disse Shahid. “Temos a responsabilidade de agir.”


Aids, ainda uma pandemia


A chefe do programa conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), Winnie Byanyima, emitiu um aviso em sua mensagem virtual de que a aids continua sendo uma pandemia. “A luz vermelha está piscando e apenas movendo-se rapidamente para acabar com as desigualdades que impulsionam a pandemia podemos superá-la”, pontuou.

Byanyima observou que, em meio à crise do covid-19, o progresso no combate à disseminação do HIV está sob tensão ainda maior, com interrupção de serviços de prevenção e tratamento, educação, programas de prevenção à violência, entre outros. “Em nossa trajetória atual, não estamos dobrando a curva rápido o suficiente e arriscamos ter uma pandemia de Aids que dure décadas”, advertiu.

Ao abordar as desigualdades que retêm o progresso no combate à doença, ela afirmou que “podemos cumprir a promessa de acabar com a aids até 2030”. “Está em nossas mãos”, disse ela.

A diretora e representante do Unaids no Brasil, Claudia Velasquez, apontou em artigo publicado hoje as ameaças às conquistas obtidas nos últimos anos na luta contra a doença. “Com a covid-19, os ganhos que conquistamos para acabar com a AIDS correm o risco de serem perdidos. Não por falta de conhecimento ou de ferramentas para acabar com a AIDS, mas por causa das desigualdades estruturais, que são potencializadas pelo estigma e discriminação e limitam o acesso a soluções comprovadas para a prevenção e tratamento do HIV”, escreveu.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top