Desemprego no Brasil é o dobro da média mundial

Data de publicação: 2 Dez 2021


Ranking da agência de classificação de risco Austin Rating comprova que o desemprego no Brasil, de 13,2% no trimestre encerrado em agosto, é mais que o dobro da média internacional, de 6,5%.

 
Fotografia: Agência Brasil


por Altamiro Borges


A dupla Bolsonaro-Guedes está desgraçando a vida dos trabalhadores. Ranking divulgado na segunda-feira (22/11) pela agência de classificação de risco Austin Rating comprova que o desemprego no Brasil, de 13,2% no trimestre encerrado em agosto, é mais que o dobro da média internacional, de 6,5%.

O levantamento compara os países que divulgaram dados de desemprego de agosto. Pelo ranking, a taxa de desocupação brasileira é a quarta maior de uma lista de 43 economias. O Brasil só ficou em uma posição melhor do que a da Costa Rica (15,2%), Espanha (14,6%) e Grécia (13,8%).

E as perspectivas para o futuro são sombrias. Ainda segundo a pesquisa, “vai demorar para que o mercado de trabalho do Brasil se recupere. A última vez em que tivemos uma taxa de desemprego de um dígito foi em 2015. Sempre tivemos um fator internacional ou doméstico adiando a recuperação”, afirma Alexandre Agostini, economista-chefe da Austin.


A volta da destrutiva minirreforma trabalhista


O analista realça que as projeções divulgadas em outubro pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam que o país deve fechar 2021 com o desemprego em 13,8%, “o que colocaria o mercado de trabalho no Brasil entre os 15 piores do mundo”.

Como solução, o serviçal dos rentistas propõe reduzir os tributos das empresas e arrochar os trabalhadores.

Como laranja do “deus-mercado”, Jair Bolsonaro adota a mesma atitude na questão do desemprego.

Na semana passada, a Folha revelou que o governo não desistiu da sua minirreforma trabalhista – que foi derrotada pelo Senado em setembro passado. O objetivo da “deforma” é reduzir ou eliminar direitos como 13º salário e o pagamento do FGTS.

Como lembra o jornal – que em editorial apoiou a minirreforma – a proposta rejeitada incluía o programa Requip (regime de qualificação profissional), voltado aos jovens desempregados.

Eles receberiam um bônus de até R$ 550, sem previsão de 13º pagamento da bolsa nem de Fundo de Garantia.

Outro tipo de contratação era o chamado de Programa Nacional de Prestação de Serviço Social Voluntário.

Ele permitiria que prefeituras contratassem temporariamente pessoas para serviços.

Nesse caso, não havia previsão de férias, nem 13º, nem FGTS.

E ainda havia um terceiro tipo de contratação na deforma: o Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego (Priore), que reduzia o recolhimento das empresas para o FGTS dos trabalhadores.

A minirreforma ainda previa que o acordo de redução da jornada de trabalho e corte do salário – adotado na pandemia – poderia ser permanente, a ser acionado em situações de calamidade pública.

Diante dos dados sobre o desemprego, o governo volta a estudar a edição de uma medida provisória (MP) com o mesmo conteúdo já derrotado – segundo a Folha.


* Altamiro Borges é jornalista e presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé




Fonte: Viomundo com Blog do Altamiro Borges

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top