'PEC dos Precatórios é assunto cheio de cortinas de fumaça'

Data de publicação: 1 Dez 2021


Fernando Facury Scaff explica que não falta dinheiro para pagar o Auxílio Brasil, mas que retirada dos precatórios do teto de gastos evidencia efeito “bola de neve” com dívidas do governo

 
CSF (Comissão Senado do Futuro) debate o impacto da PEC dos Precatórios nos programas sociais – Foto: Roque de Sá/Agência Senado


por Cezar Xavier


A PEC dos Precatórios, que viabilizaria o Auxílio Brasil e abrirá caminhos para o furo do teto de gastos do governo, foi aprovada esta tarde na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado por 16 votos a 10 e segue para apreciação do plenário da Casa.

Ainda nesta terça-feira (30), conforme previu o relator Fernando Bezerra. Uma manobra legislativa que está sendo feita para não pagar R$ 89 bi em 2022, e sucessivamente. Como o valor já foi expedido e os credores têm direito a receber, há probabilidade do Supremo Tribunal Federal (STF) declarar a inconstitucionalidade da medida. Com isso, a responsabilidade política é empurrada para o judiciário.

“Este assunto é cheio de cortinas de fumaça”. Quem avalia sobre o futuro da PEC no plenário do Senado e suas implicações fiscais é o professor Fernando Facury Scaff, do Departamento de Direito Econômico, Financeiro e Tributário da Faculdade de Direito da USP.

Para ele, a população esta sendo engambelada nessa situação. De acordo com Scaff, a questão da PEC dos Precatórios não decorre da falta dinheiro para o Auxílio Brasil, mas sim da falta de espaço no teto de gastos.

Como já se previa quando da aprovação do Teto de Gastos, logo após o golpe de 2016, o governo terá recursos e arrecadação suficiente, mas não poderá usar os recursos devido ao estranho mecanismo que impede o gasto.

“A tentativa de calote nos precatórios não decorre da falta de grana, mas do teto que deixa alguns na chuva. Os precatórios estão sendo colocados fora do teto”, explica ele. O problema é que, como o precatório é dívida, “um pedaço dela fica dentro e o outro pedaço é pedalado para o ano seguinte, somando-se à dívida daquele ano”, avalia Scaff.

Com isso, ocorre o efeito bola de neve que pode explodir nas costas do futuro governo eleito em 2022, ou seja, a soma acumulada de um ano sobre o outro dentro desse teto específico para precatórios.

“Dá pra pagar os R$ 400 [prometidos para o Auxílio Brasil], desde que seja retirado todo o dinheiro eleitoral [do teto], como as emendas de relator que foram consideradas pela justiça opacas e não podem ser pagas desse jeito. Se elas forem retiradas tem espaço no teto”, afirma.

Ele considera o argumento retórico em momento eleitoral, pois ninguém pode ser contra o programa social para os pobres. A pedalada é o adiamento da dívida, como o consumidor que deixa de pagar a totalidade da fatura do cartão, mas continua acumulando gastos no cartão, com o saldo anterior e os juros. Precatório é dívida, não gasto, portanto nem deveria estar no teto, conforme explica ele. Agora, passa a haver um subteto de precatórios.

Na visão de Scaff, o problema enfrentado para pagar o Auxílio Brasil é retirar dívidas sem pedalar, ou seja, acumular e adiar o pagamento das dívidas. “Querem tirar o precatório do teto, arrombando o teto, quebrando a credibilidade do país. O que importa para o mercado e os investidores é a credibilidade, que já havia sido quebrada pelos estados e municípios”, explica.



Fonte: Portal Vermelho com edição de entrevista à Rádio USP

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top