Mudanças no Imposto de Renda no Brasil nunca focaram na justiça social

Data de publicação: 24 Nov 2021


Pesquisa mostra tendência histórica em desconsiderar debate sobre distribuição de renda nos debates políticos sobre o Imposto de Renda

 
No primeiro documento divulgado, os pesquisadores dividiram a análise em três períodos – Fotomontagem a partir dos subsídios gráficos com licença Creative Commons e Marcos Santos/USP Imagens


O impacto do Imposto de Renda no crescimento econômico de um país é um assunto amplamente discutido no mundo inteiro, especialmente no contexto atual de pandemia, em que uma série de medidas públicas, visando ao suporte à população e à redução das contaminações por covid-19, gerou um aumento geral nos gastos dos governos.

Nikolas Schiozer, doutorando da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo e pesquisador do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), conversou sobre uma nova pesquisa da qual participou que, em sua fase inicial, buscou “montar uma base de dados da história do Imposto de Renda no Brasil, identificar quais foram as principais mudanças do IR no Brasil ao longo do tempo e, mais importante, o que motivou isso”, segundo o pesquisador.

No primeiro documento divulgado, os pesquisadores dividiram a análise em três períodos. O primeiro período analisado é o de 1945 a 1964, que foi denominado de período “desenvolvimentista com democracia”, segundo Schiozer. Nesse momento, os governos são democráticos, mas o Estado tem papel intervencionista na economia, buscando induzir a industrialização. Ainda que o sistema tributário se torne mais progressivo, o que pode ter resultado em uma menor desigualdade social, a justificativa do governo para essa mudança era o combate a uma grave espiral inflacionária, que se acreditava estar sendo gerada pelo déficit público após a Segunda Guerra Mundial. A medida não buscava nenhum tipo de distribuição de renda, ao menos formalmente.


O segundo período analisado é o da ditadura. Especialmente na década de 70, surgem leis que tinham como propósito, ao menos no discurso oficial, a redução da desigualdade. A preocupação surge em resposta às críticas de que a política econômica adotada pelo regime militar promovia a desigualdade. A partir dos dados do censo de 1970, o “milagre econômico”, visto no final da década de 60, mostra-se muito desigual, o que levanta questionamentos.

A última época diz respeito ao período da redemocratização. Na década de 80, o tema da justiça social volta a desaparecer nas discussões legislativas sobre o Imposto de Renda. O período é de instabilidade e as leis buscam corrigir as tabelas de Imposto de Renda por conta da inflação, ou fazer reformas buscando a estabilidade macroeconômica. Entre a década de 90 e os anos 2000, apesar da estabilidade, as medidas relacionadas ao Imposto de Renda continuam voltadas para o desenvolvimento econômico, ignorando a questão da justiça social.

A principal conclusão da pesquisa até o momento é que mudanças do Imposto de Renda focadas na justiça social, buscando reduzir a desigualdade brasileira, praticamente nunca surgiram com força nas medidas aprovadas no Congresso Nacional.

O artigo pode ser lido neste link.



Fonte: Portal Vermelho em edição de entrevista à Rádio USP

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top