Vacina contra o HPV, reduz em 90% casos de câncer de colo de útero no país

Data de publicação: 22 Nov 2021


Resultado é obtido oito anos após a adoção da política de vacinação contra o HPV, mostra estudo da revista científica ‘The Lancet’

 
Vacinas salvam vidas e nos protegem, é ciência. Só elas podem garantir que o coletivo esteja protegido - Foto: Creative Common


por Alexandre Padilha


Em 2013, enquanto ministro da Saúde, tomei a decisão de incorporar a vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV) no SUS. Assim, anunciamos à população brasileira sua inclusão no calendário das campanhas de vacinação do nosso Programa Nacional de Imunização (PNI). Essa vacina imuniza contra os tipos 16 e 18 do vírus, considerados de alto risco e que representam casos de câncer de colo de útero. Além dos tipos 6 e 11, de baixo risco, que causam as verrugas genitais.

Além da garantia de proteção ao vírus que causa outros tipos de câncer, além do de colo do útero – terceiro tipo mais frequente entre as mulheres –, como também de vulva, vagina, pênis, ânus, boca e orofaringe, essa introdução significou transferência de tecnologia, poder de compra e independência de imunização para o Brasil.

Assim, pais e mães puderam proteger seus filhos de 9 a 14 anos gratuitamente. Antes dessa incorporação, a imunização era oferecida somente em laboratórios particulares, ao valor de R$ 1.200 em três doses da vacina. Ou seja, só quem tinha dinheiro poderia ser vacinado.

A planta dessa vacina é fruto da transferência de tecnologia de uma indústria internacional – que possui a patente – para o Instituto Butantan e coordenada pelo Ministério da Saúde. Uma curiosidade é que foi também utilizada para o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19, que tem salvado milhares de vidas.

Apesar da incorporação desta importante política de saúde pública no país, na época, assim como acontece hoje, surgiram fake news e absurdos antivacina. Por exemplo, supostos episódios de reações sem nenhuma comprovação de ter relação com o imunizante.

Oito anos após essa incorporação, os resultados: a queda de cerca de 90% dos casos de câncer de colo de útero entre as mulheres vacinadas contra o HPV no Brasil. Esse dado é de um estudo publicado pela revista científica The Lancet.

Vacinas salvam vidas e nos protegem, é ciência. Só elas podem garantir que o coletivo esteja protegido. Só elas podem assegurar que possamos reduzir o sofrimento das pessoas. O brasileiro possui boa receptividade às vacinas e precisamos permanecer em alerta. Pois não podemos permitir que nosso país seja convencido por teorias negacionistas e fake news.


* Alexandre Padilha é médico, professor universitário e deputado federal (PT-SP). Foi Ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e Secretário de Saúde na gestão Fernando Haddad na cidade de SP.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top