Crise climática agrava insegurança alimentar e transmissão de doenças infecciosas

Data de publicação: 26 Out 2021


Relatório sobre saúde e mudanças climáticas, baseado em 44 indicadores e conduzido por 93 especialistas mundiais, conclui que o aquecimento global tem efeitos diretos sobre o bem-estar humano

 
Luta contra as mudanças climáticas exige que todos os países forneçam uma resposta urgente e coordenada, alertam cientistas - Foto: Reprodução


por Agência Sinc


Tradução a partir de Agência Sinc – Todos os anos, desde 2016, é publicado o relatório Lancet Countdown , que analisa o impacto da crise climática na saúde. Graças à colaboração de pesquisadores importantes, como o espanhol Jaime Martínez-Urtaza, do Departamento de Genética e Microbiologia da Universidade Autônoma de Barcelona, em instituições acadêmicas internacionais – 38 na ocasião – e agências das Nações Unidas, este trabalho reúne indicadores novos, atualizados e aprimorados que monitoram independentemente as consequências para a saúde das mudanças climáticas.

Este relatório com 44 indicadores alerta para um “código vermelho”. E indica “um aumento implacável dos efeitos das mudanças climáticas na saúde humana e as consequências da resposta inconsistente e tardia dos países ao redor do mundo sobre a saúde”.

Sua publicação também coincide com a iminente realização da 26ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) em Glasgow (Reino Unido), na qual os países enfrentam pressão para tornar realidade o ambicioso Acordo de Paris. Entre os objetivos estabelecidos, um dos mais urgentes é manter o aumento da temperatura média global em 1,5 °C. Além de mobilizar os recursos econômicos necessários para que todos os países tenham uma resposta climática eficaz.


Doenças infecciosas que ameaçam


Ainda que o desenvolvimento socioeconômico, as intervenções em saúde pública e os avanços da medicina tenham diminuído a carga global de transmissão de doenças infecciosas,as mudanças climáticas poderiam dizimar os esforços de controle e erradicação, segundo esse relatório.

O número de meses com condições ambientalmente adequadas para a transmissão da malária (Plasmodium falciparum) aumentou 39% entre os períodos de 1950 a 1959 e de 2010 a 2019, em áreas densamente povoadas de maior altitude e com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH). “Esse aumento da aptidão ambiental representa uma ameaça para as populações altamente desfavorecidas dessas áreas, que eram relativamente mais seguras em relação à malária do que aquelas em terras mais baixas”, disseram os autores.

Por sua vez, o potencial epidêmico dos vírus da dengue, zika e chikungunya, que atualmente afetam principalmente populações na América Central, América do Sul, Caribe, África e Sul da Ásia, aumentou em escala global. Por outro lado, com o aumento das temperaturas médias e a alteração dos regimes pluviométricos, a crise climática começa a reverter os anos de progresso na luta contra a insegurança alimentar e hídrica que ainda afeta as populações mais vulneráveis do mundo.
Em 2020, secas extremas afetaram até 19% da área terrestre mundial. Um valor que não havia excedido 13% entre 1950 e 1999. Paralelamente às secas, o aumento das temperaturas está afetando o potencial de produção das principais culturas.

Nesse mesmo ano, em relação ao que aconteceu entre 1981 e 2010, houve redução do potencial de produção de 6% no caso do milho, 3% no caso do trigo de inverno, 5,4% no caso da soja e 1,8% no caso do arroz. Especialistas dizem que isso se traduz em risco crescente de insegurança alimentar global.

“Os riscos simultâneos e interconectados colocados por eventos climáticos extremos,transmissão de doenças infecciosas e as inseguranças alimentar, hídrica e financeira estão sobrecarregando as populações mais vulneráveis. Por meio de múltiplos riscos simultâneos e interativos, as mudanças climáticas ameaçam reverter anos de progresso na saúde pública e no desenvolvimento sustentável.”


Desigualdades agravam a situação


Em uma análise comparativa com o que aconteceu durante a crise de covid-19, os autores deste trabalho enfatizam que, em 10 meses de 2021, não houve acesso global e equitativo à vacina covid-19. “Mais de 60% das pessoas em países de alta renda receberam pelo menos uma dose da vacina, em comparação com apenas 3,5% das pessoas em países de baixa renda. Os dados deste relatório expõem desigualdades semelhantes quando se trata da resposta global à mitigação das mudanças climáticas.”

Por outro lado, a resposta está sendo desigual entre os países também em termos de cumprimento das metas do Acordo de Paris, que visa a reduzir pela metade as emissões globais de gases de efeito estufa em uma década. No ritmo atual, levaria mais de 150 anos para o sistema de energia descarbonizar totalmente.

“Com um planeta enfrentando um inevitável aumento da temperatura, mesmo que a mitigação mais ambiciosa das mudanças climáticas fosse implementada, a adaptação acelerada seria essencial para reduzir a vulnerabilidade das populações às mudanças climáticas e proteger a saúde das pessoas em todo o mundo.”

Para especialistas, a pandemia global tem impulsionado um maior compromisso com a saúde e as mudanças climáticas em várias áreas da sociedade. Por exemplo, com a participação de 91 chefes de Estado no debate geral da ONU de 2020. E um compromisso recentemente estendido entre os países do grupo de IDH muito alto. Mas eles acreditam que “resta saber se a recuperação da covid-19 favorece ou contraria essas tendências”.

“A luta contra as mudanças climáticas exige que todos os países forneçam uma resposta urgente e coordenada, com a alocação de fundos de recuperação em relação à covid-19, para apoiar e garantir uma transição justa para um futuro de baixo carbono e adaptação às mudanças climáticas em todo o planeta. Os líderes mundiais têm uma oportunidade sem precedentes de entregar um futuro com melhor saúde, menos desigualdades e sustentabilidade econômica e ambiental. No entanto, só será possível se o mundo agir em conjunto para garantir que ninguém fique para trás.”


Leia mais sobre crise climática aqui



Fonte: Agência Sinc
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top