Ampliar o debate em torno da Reforma Trabalhista

Data de publicao: 25 Out 2021


O movimento sindical não deve e não pode naturalizar a Reforma Trabalhista como se fosse algo dado e acabado. Num cenário em que as normalidades democráticas estejam restauradas no País é preciso revogar essa lei

 
Fotomontagem feita por Artur Nogueira com as fotos de: Roberto Parizotti/Fotos Públicas


por Marcos Verlaine


A vitória, talvez inesperada, do julgamento da ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 5.766, que pedia a derrubada de dispositivos da Reforma Trabalhista que extinguira a gratuidade na Justiça do Trabalho foi relevante e alentadora para o movimento sindical.

Todavia, isso não quer dizer que os trabalhadores e o movimento sindical venceram a guerra contra esse famigerado ordenamento jurídico antitrabalhador e antissindical — a Lei 13.467/17. Essa vitória é apenas o êxito de uma batalha. É preciso transformar a agenda de debates em torno da Reforma Trabalhista numa pauta permanente do movimento sindical.

Isto é, o movimento sindical não deve e não pode naturalizar a Reforma Trabalhista como se fosse algo dado e acabado. Num cenário em que as normalidades democráticas estejam restauradas no País é preciso revogar essa lei. E no lugar dessa inserir novo código de trabalho, moderno e adequado à realidade do Brasil e das demandas dos trabalhadores e empregadores.


Proteção do mercado e do capital


A Reforma Trabalhista é lei que protege o mercado e o capital. Trata-se, pois, de consolidação de leis do mercado, para atender às demandas do capital sobre o trabalho, que deixou o trabalhador e as entidades sindicais ao relento, a “pão e água”.

Desse modo, é preciso “levantar, sacudir a poeira e dar volta por cima”, como canta a letra da famosa música do compositor Paulo Vanzolini. A partir dessa relevante vitória.


“Relevante e alentadora vitória”


Para entender mais e melhor o resultado do julgamento desta quarta-feira (20) no STF, convido-os a ler a alentada análise em torno da decisão, do consultor jurídico da Contee, entidade filiada ao Diap, José Geraldo de Santana Oliveira: “Uma relevante e alentadora vitória no STF”.

“Por maioria de votos, o colegiado considerou inconstitucionais os dispositivos que estabelecem a necessidade de pagamento de honorários periciais e advocatícios pela parte derrotada (honorários de sucumbência), mesmo que esta seja beneficiária da Justiça gratuita (artigo 790-B, caput e parágrafo 4º, da CLT) e o que autoriza o uso de créditos trabalhistas devidos ao beneficiário de justiça gratuita, em outro processo, para o pagamento desses honorários (artigo 791-A, parágrafo 4º)”, escreveu Santana.


* Marcos Verlaine é jornalista, analista político e assessor parlamentar do Diap



Fonte: Portal Vermelho

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top