Patrões arrocham salários: 2/3 dos reajustes ficam abaixo da inflação

Data de publicação: 25 Out 2021


Em setembro, reajuste salarial mediano foi de 8%, enquanto a inflação acumulada de 12 meses ficou em 10,4%





Em tempos de Jair Bolsonaro, estagflação e pandemia, os patrões têm se aproveitado da crise para arrochar salários e elevar suas margens de lucro à custa dos trabalhadores. Em setembro, segundo o boletim Salariômetro, dois terços dos reajustes salariais negociados em convenções e acordos coletivos ficaram abaixo da inflação.

O reajuste mediano foi de 8%. Já a inflação acumulada de 12 meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), ficou em 10,4%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (22) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

De acordo com o boletim, apenas 9,5% das negociações trabalhistas resultaram em aumentos reais (acima da inflação do período). Outras 23,5% tiveram ganhos iguais ao INPC – ou seja, apenas repuseram a inflação.

Mesmo entre os três setores que tiveram reajuste real – Gráficas e editoras, Artefatos de borracha e Organizações Não Governamentais –, o aumento acima da inflação foi de apenas 0,1%. Em contrapartida, trabalhadores de dois setores ligados à Comunicação registraram as perdas mais expressivas: Empresas jornalísticas (-9,2%) e Publicidade e Propaganda (-7,4%).




Clique AQUI para visualizar melhor a tabela acima



“A perda salarial durante as negociações se deve a dois fatores: a desocupação (que tira o poder de barganha do trabalhador) e a inflação (que corrói os salários)”, analisa Hélio Zylberstajn, professor da Faculdade de Economia da USP (Universidade de São Paulo). Para a classe trabalhadora – diz ele –, “é o pior dos mundos”.

Segundo o pesquisador – que coordena o boletim da Fipe–, a inflação elevada neutraliza até reajustes salariais maiores do que o de anos anteriores. Além disso, a “lei da oferta e da demanda” ganha força: quando mais profissionais buscam emprego, piores são as condições oferecidas também aos que já estão trabalhando. Meios tradicionais de resistência, como a greve, se tornam mais difíceis e menos viáveis.



Fonte: Portal Vermelho
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top