Sociedade civil poderá levar denúncias da CPI ao STF caso Aras se omita

Data de publicação: 13 Out 2021


Entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e associações de vítimas da covid-19 poderão levar as denúncias da CPI ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso o procurador-Geral da República, Augusto Aras, decidir arquivar o relatório dos senadores

 
Aliado do governo: Não é de se estranhar se o procurador-Geral da República Augusto Aras, resolva arquivar o relatório da CPI - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado


Entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e associações de vítimas da covid-19 poderão levar as denúncias da CPI ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso o procurador-Geral da República, Augusto Aras, decidir arquivar o relatório dos senadores. Ou mesmo não encaminhar as denúncias. A informação é do jornal O Globo.

“Em caso de eventual desídia do Ministério Público, a parte legítima da ação, ou seja, o público ou parentes de vítimas, tem a possibilidade de ofertar uma ação direta privada ao STF”, disse  ao jornal o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O pé atrás dos senadores não é à toa. Desde que assumiu o cargo, Aras resiste a dar seguimento a ações contrárias ao presidente Jair Bolsonaro. O PGR tentou vedar a campanha “O Brasil não pode parar”, contrária ao isolamento social, no início da pandemia, ou a que propõe a responsabilização criminal de Bolsonaro por não usar máscara.

Aras tem prazo legal de 30 dias para encaminhar o relatório final da CPI, que será entregue a ele no próximo dia 21. O relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), vai incluir Bolsonaro entre os responsáveis pela trágica marca de mais de 600 mil mortes pela Covid. Além do presidente, cerca de 30 pessoas devem ter o indiciamento proposto no relatório final, entre eles o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Calheiros ainda avalia incluir Carlos e Eduardo nessa lista.


Observatório da CPI


A apreensão com a falta de ação de Aras e a possibilidade de as denúncias serem arquivadas levaram os senadores a planejarem a criação de um de um “observatório da CPI”. O grupo vai seguir atuando mesmo com o encerramento da comissão.

Uma das principais tarefas do grupo é desmembrar as acusações para apresentá-las em diferentes instâncias do Legislativo, do MP e do Judiciário.

Segundo o jornal, o primeiro a receber o relatório será Aras, no dia 21 de outubro. A seguir, os senadores vão levar à Procuradoria da República do Distrito Federal os pedidos de indiciamento de pessoas que não têm foro privilegiado, como Pazuello e seu secretário-executivo na Saúde, Élcio Franco. Depois disso, eles irão à força tarefa do Ministério Público Federal de São Paulo, que já conduz os processos contra a Prevent Sênior.

Outra instância que a CPI cogita recorrer é o Tribunal Internacional Penal, em Haia, onde Bolsonaro já responde a três acusações. Para isso, contará com a ajuda do grupo de juristas que assessora a CPI, entre os quais o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Junior.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top