Senado enterra MP 1.045, da ‘minirreforma’ trabalhista, e impõe derrota a Bolsonaro

Data de publicação: 2 Set 2021


Com placar de 47 a 27, minirreforma que autorizaria contratação sem carteira e mais redução de direitos é rejeitada

 
Oposição, independentes e até governistas criticaram projeto do governo, agora arquivado - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado


Em votação nesta quarta-feira (1º), o Senado rejeitou, por 47 a 27, a Medida Provisória da “minirreforma” trabalhista – a MP 1.045 – que havia sido aprovada na Câmara. A medida, agora denominada PLV 17/2021 (Projeto de Lei de Conversão), tinha como pretexto do governo a criação de empregos. Mas, na realidade, embutia a permissão para contratações com exclusão de direitos, redução de salários e jornadas, similar à ideia embutida na chamada “carteira verde e amarela”, também já derrotada no ano passado.

Desde o golpe de 2016, aliás, o lobby empresarial no Congresso tenta emplacar a tese de que reduzir direitos favorece a criação de empregos. Porém, a maior mudança já realizada na legislação, a “reforma” trabalhista de 2017 – piorada por outras normas impostas pelo governo Bolsonaro – foi um fracasso. Há cinco anos, o desemprego se agrava e a informalidade e as subocupações explodem. Assim, não há como fazer a economia voltar a crescer.


Presidente da Nova Central convoca empenho máximo contra a MP 1045


Por esse motivo, e a um ano de eleições gerais, as críticas dos senadores – de oposição, independentes e até governistas – foram contundentes. O relator, senador Confúcio Moura (MDB-RO), apresentou parecer favorável à aprovação da MP 1.045, que reinstituiu o programa que permite redução de jornada e salário ou suspensão de contratos na pandemia. O texto, enviado pela Câmara, tornaria a política permanente em períodos de calamidade pública e ainda previa a criação de outros três “programas”.

Mas até lideranças do MDB e do PSD, por exemplo, as duas maiores bancadas do Senado, defenderam a derrubada do texto. Primeiro, porque o tema de garantia de direitos é importante demais para ser tratado por meio de medida provisória e sem tempo para debates. Mas também em razão de agravar a situação de fragilização das relações trabalhistas em meio a uma crise sem precedentes e sem data para terminar.


MP 1.045 e os “jabutis que mordem”


A oposição, depois da derrota na Câmara, também intensificou a resistência no Senado. Inclusive porque, além de reduzir direitos e precarizar empregos, vários “jabutis”, temas estranhos ao conteúdo da matéria, haviam sido incluídos na MP. As centrais sindicais também fizeram apelo aos senadores no sentido de rejeitar a MP. “Os conteúdos das políticas de proteção de empregos e de geração de ocupações devem ser objeto de projeto de lei específico, devidamente analisado e debatido nas instâncias do Congresso Nacional, com ampla participação das representações dos trabalhadores, dos empregadores e do governo”, defenderam as entidades em documento enviado aos senadores há duas semanas.

Vestindo camiseta com a frase “sem emprego e renda não há dignidade”, o senador Paulo Paim (PT-RS) apresentou requerimento para excluir os novos programas do texto, alegando que também são “jabutis” e não têm pertinência com a medida originalmente proposta.

Braga afirmou que o PSD, dono da segunda maior bancada do Senado, com 11 senadores, também se posicionou contra qualquer reforma trabalhista que seja feita por meio de medida provisória, o que seria “um atalho sem debate nacional”. A posição contrária do PSD havia sido colocada pelo vice-líder da legenda na Casa, senador Omar Aziz (AM).

Por sua vez, o senador Lasier Martins (Podemos-RS) chamou a inclusão dos programas de “contrabando legislativo”. Os petistas Jean Paul Prates (PT-RN) e Paulo Rocha (PT-PA) criticaram as inclusões de “jabutis” ao texto. “Tem jabuti do tamanho de jacaré. E jacaré morde. Morde direitos trabalhistas”, afirmou Prates. “Colocaram jabuti, sucuri, sei lá mais o que colocaram nessa medida provisória”, disse Rocha.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA com informações da Agência Senado e do Estadão



 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

Endereço: SAUS Quadra 04 Bloco A Salas 905 a 908 (Ed. Victória) - CEP:70070-938 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000

Back to Top