Vacinação segue desigual no mundo e Covax sofre para atingir metas

Data de publicação: 14 Jun 2021


Segundo a OMS, pouco mais de 2,2 bilhões de doses foram administradas. Destas, 75% para os sete países mais ricos do mundo, que concentram 10% da população mundial

 
Para entidades como a Human Rights Watch e a Oxfam, a capacidade do consórcio Covax Facility não será suficiente para por fim à pandemia de covid-19 - pixabay


A desigualdade marca o avanço da vacinação contra a covid-19 no mundo. Enquanto países ricos como Israel, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos já imunizaram mais da metade de sua população, em outros cantos do mundo o processo engatinha. No enfrentamento deste problema, o consórcio Covax Facility, da Organização Mundial de Saúde (OMS) segue devagar, com atrasos inevitáveis.

Ao todo, pouco mais de 2,2 bilhões de doses foram administradas até o momento. Destas, 75% para os sete países mais ricos do mundo, que concentram 10% da população mundial, de acordo com dados da OMS. A sede por vacinas fez com que muitas nações estocassem doses. Além disso, a explosão de casos e mortes por covid-19 na Índia, uma das maiores produtoras de insumos para vacinas do mundo, freou a compra de vacinas pelo consórcio da OMS. Agora, os asiáticos estão direcionando a produção para a própria população, de mais de 1,3 bilhão de pessoas.

Até o início deste mês, a Covax havia entregue apenas 81 milhões de doses pelo mundo. Para entidades como a Human Rights Watch e a Oxfam, a capacidade do consórcio não será suficiente para por fim à pandemia de covid-19. A estimativa das entidades dão conta de uma necessidade de 11 bilhões de doses neste ano. Contudo, as metas para o primeiro semestre já não devem se cumprir. A OMS classifica a desigualdade na vacinação como “um fracasso moral catastrófico para a humanidade”, conforme palavras do diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom.


Bolsonaro recusou 43 milhões de doses de vacinas da Covax


Estímulo


Mesmo com as dificuldades, o consórcio trabalha para avançar com o programa. Na última semana, a OMS conseguiu captar fundos em uma rodada de negociações com investidores estrangeiros. A meta do encontro, que aconteceu no Japão, foi superada. E a Covax conseguirá 1,8 bilhões de doses adicionais a serem distribuídas entre o segundo semestre o início de 2022.

Soma-se a isso a iniciativa do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que anunciou uma doação de 500 milhões de doses da Pfizer para a Covax Facility. A doação virá em forma de um “extra”, já que o governo Biden é um dos maiores financiadores do consórcio. As doses serão distribuídas para 91 países de baixa e média renda, como membros do Bloco Econômico Africano, Afeganistão e Fiji.

A preocupação dos Estados Unidos é manter mercado consumidor para sua economia que tenta se reerguer rapidamente, através de investimentos estatais massivos. Para que o plano de Biden se estruture com sucesso, a economia global precisa reagir em conjunto. Também existem fatores como a “diplomacia da vacina”, em que países exercem poder geopolítico através da doação de vacinas; e também o medo do surgimento de novas variantes do coronavírus resistentes aos imunizantes.


Vacinação


“Enquanto o vírus estiver a solta no mundo há risco de mutações que podem atacar nossas pessoas e isso diminui o crescimento da economia e enfraquece os governos”, disse Biden em anúncio da doação.

Com as ameaças da pandemia, as incertezas que envolvem vidas em todo o mundo e a recuperação econômica global persistem. Inicialmente, a Covax se propunha a vacinar as pessoas até que o mundo atingisse imunidade de rebanho (algo em torno de 70% da população).

Agora, a OMS assume que a capacidade prevista do consórcio será para vacinação de 20% a 30%. Então, a recomendação do órgão é por cautela redobrada e ações não farmacológicas de controle, como testes em massa, rastreio de contágio, uso de máscaras e isolamento social estratégico.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top