CNS reprova contas do Ministério da Saúde em 2019

Data de publicação: 15 Dez 2020



Entidade encaminhou orientações para aprimoramento de gestão finaceira do órgão. A deliberação do colegiado ocorreu em reunião extraordinária e virtual nesta sexta-feira (11/12).


 
Foto: Agência Brasil
 


O Conselho Nacional de Saúde (CNS) tem a atribuição legal de monitorar e fiscalizar as contas do Ministério da Saúde (MS) e, por isso, anualmente o Colegiado analisa o Relatório Anual de Gestão (RAG). Durante a 66ª Reunião Extraordinária do CNS, realizada na sexta-feira (11/12), de forma virtual, os conselheiros e conselheiras reprovaram a prestação de contas das ações do MS em 2019. 

O RAG é um instrumento básico de planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS), que apresenta elementos fundamentais para o acompanhamento e avaliação das iniciativas quadrienais amplamente indicadas pelo Plano Nacional de Saúde (PNS) e anualmente operacionalizadas pela Programação Anual de Saúde (PAS), sob responsabilidade do MS. 

A Comissão de Orçamento e Financiamento (Cofin) do CNS é a responsável pela tarefa de analisar anualmente o RAG. No entanto, de forma inédita em 2020, contou com a contribuição de 13 Comissões Intersetoriais e a Câmara Técnica de Atenção Básica.

“Contamos com 14 contribuições e nos reunimos com essas Comissões. Também tivemos uma mudança de metodologia com a ampliação de dados e análise de indicadores de uma forma mais resumida, com apresentação em cores”, explicou o conselheiro nacional de Saúde e coordenador da Cofin, André Luiz de Oliveira.






Aplicação mínima


De acordo com o parecer da Cofin apresentado pelo economista e consultor da Comissão Francisco Fúncia, o Ministério da Saúde cumpriu em 2019 a aplicação acima do piso constitucional. Foi empenhado o valor de R$ 122,270 bilhões, enquanto o valor do piso foi de R$ 117,293 bilhões bilhões, mas houve redução dos valores empenhados para ações e serviços públicos de saúde (ASPS) em 2019 como proporção da receita corrente líquida, situação essa ocorrida também em 2018 e que precisa ser revista pela gestão.
 

Atenção básica


O parecer também aponta a inexistência de critérios para a escolha das despesas não executadas ou executadas parcialmente, em 2019. Outro ponto é a não demonstração e comprovação, pelo Ministério da Saúde, da alocação de recursos suficientes em 2019 para promover a mudança de modelo de atenção à saúde (para priorizar a atenção básica). Isso contraria as deliberações CNS, especialmente nas diretrizes para o estabelecimento de prioridades para 2019. O relatório pede explicações ao MS sobre os motivos dessa não alocação de recursos suficientes para implementação dessa mudança de modelo proposto pelo Conselho. 
 

Transferências para Estados e Municípios


Além disso, os valores das transferências fundo a fundo para estados, Distrito Federal e municípios em 2019 deveriam seguir critérios pactuados na Comissão Intergestora Tripartite (CIT), que une gestores de saúde das três esferas de governo, e encaminhados para aprovação do CNS. O que não ocorreu. 

Sobre isso, foram identificadas algumas disparidades entre os valores das transferências per capita para os municípios e para os estados. A análise do RAG destaca que “é preciso que os gestores pactuem na CIT os critérios para transferências de recursos do Fundo Nacional de Saúde para os Fundos Estaduais e Municipais de Saúde e encaminhem para deliberação do CNS, de modo a formalizar medidas tomadas anteriormente”. 
 

Restos a pagar


O RAG também apontou a Inexistência de dotação orçamentária específica para compensação integral dos restos a pagar (dinheiro empenhado, mas não aplicado de anos anteriores), cancelados a partir de 2012. Identificou também pendência de compensação de restos a pagar cancelados desde 2000, que fizeram parte do cálculo da aplicação em ASPS, procedimento que se repete anualmente e que precisa ser revisto. 
 

Clique AQUI e leia a resolução 651 que dispõe sobre a reprovação do relatório


Assista a Reunião na íntegra:








Fonte: Ascom CNS

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top