Coronavírus no mundo: 10 países, a mesma pandemia, realidades diferentes

Data de publicação: 14 Dez 2020



O que há em comum entre diferentes governos do mundo, de esquerda ou direita, que conseguem preservar vidas é a seriedade com que enfrentam o coronavírus


 
Posturas de chefes de Estado como Jacinda Ardern, da Nova Zelândia (esq.), e Angela Merkel, da Alemanha (dir.), fizeram a diferença no combate à covid-19 no mundo



O Brasil é o terceiro país com mais casos de covid-19 e o segundo em mortos pela doença. Desde o início, em março, a pandemia do coronavírus no mundo foi tratada pelo presidente da República como coisa de “maricas”. Não por acaso, o primeiro lugar da lista mórbida do coronavírus é ostentado por um país cujo presidente é amado por Jair Bolsonaro. Os Estados Unidos, sob Donald Trump, chegaram a este sábado (12) a 16,2 milhões de contaminados e deve começar a semana com mais de 300 mil mortes. A Índia, em segundo, passa de 9,8 milhões de casos de covid-19 e 143 mil óbitos. Menos mortes do que no Brasil.

Aqui, com 6,9 milhões de contágios, já perderam a vida 181 mil brasileiros. São países de dimensões continentais, com 1,3 bilhão de habitantes na Índia, 330 milhões nos Estados Unidos e 212 milhões por aqui. Mas o descaso com a gravidade da pior pandemia em um século foi determinante para esses elevados números traduzidos em perdas irreparáveis, tristeza e dor. Os últimos dois dias foram os piores em números da pandemia no mundo, em grande medida devido à retomada da covid-19 nos EUA. E enquanto o mundo reage para conter segunda e até terceira onda, o Brasil patina. Nem sequer fechou o ingresso de estrangeiros pelos aeroportos.


Combate com ciência, não com ideologia


Para retratar diferentes realidades da pandemia do novo coronavírus pelo mundo, a reportagem da Rede Brasil Atual ouviu brasileiros que vivem em 10 países. Em alguns deles, como Nova Zelândia, Canadá e Argentina, os governos são considerados de centro-esquerda. Em outros, como Alemanha, França e Holanda, são de centro-direita, ou mesmo de direita, como Austrália e Israel. Mas não é pela ideologia que esse compatriotas, de longe, avaliam as diferenças entre onde estão e o Brasil – ou as semelhanças, como nos Estados Unidos. Os pontos em comum são que, em países onde há credibilidade e seriedade por parte dos governantes, há mais controle sobre a doença e menos mortes.

Se no mundo já se comemora a chegada da vacinação para um ano realmente novo em 2021, para os brasileiros, nada a festejar. O país ainda não tem um plano de vacinação que contemple toda a população. E não conta sequer com insumos básicos, como seringas e agulhas, para promover a imunização em massa. Por aqui, a pandemia se soma ao governo para aniquilar vidas, sonhos e oportunidades.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA 
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top