A eleição delas: desempenho feminino nas urnas é o melhor da história

Data de publicação: 18 Nov 2020



Mulheres responderam por 33,6% das candidaturas e passaram de 11,7% do total de prefeitos eleitos em 2016 para 12,1% agora







Na primeira eleição municipal sob o governo misógino e ultraconservador de Jair Bolsonaro, as mulheres avançaram na batalha pelas prefeituras e tiveram seu melhor desempenho nas urnas. Em novo recorde, elas responderam por 33,6% das candidaturas e passaram de 11,7% do total de prefeitos eleitos em 2016 para 12,1% agora.

No primeiro turno, duas mulheres venceram no domingo (15) entre as capitais de estado ou cidades com mais de 200 mil eleitores. Só que cresceu de forma mais expressiva a presença feminina nas disputas de segundo turno – ou seja, das maiores e mais importantes cidades do país. Há quatro anos (no último pleito municipal), apenas seis mulheres passaram para o segundo turno, ao lado de 108 homens.

Em 2020, são 20 mulheres e 94 homens. Entre as grandes cidades com segundo turno, há mulheres concorrendo, por exemplo, em Porto Alegre (Manuela D’Ávila, do PCdoB) e no Recife (Marília Arraes, do PT). A certeza de vitória feminina está em Ponta Grossa (PR), onde a disputa será entre duas candidatas: Mabel Canto (PSC) e Professora Elizabeth (PSD).




Apesar de serem maioria na população brasileira, com 52% do total, as mulheres são minoria nos principais postos de comando político do País.​Dentro da estrutura de chefia dos partidos políticos, também predominam homens e brancos, que demonstram forte resistência a mudar esse quadro. Uma exceção é o PCdoB, presidido desde 2013 por Luciana Santos, hoje vice-governadora de Pernambuco.

Em 2018, o Tribunal Superior Eleitoral determinou que os partidos têm que destinar a verba de campanha eleitoral na proporção das candidaturas femininas lançadas, sempre em patamar superior a 30%. Agora, em 2020, foi a vez de o Supremo Tribunal Federal determinar que as legendas também façam a distribuição proporcional da verba entre candidatos brancos e negros. Em ambos os casos, o Judiciário foi instado a se manifestar por meio de ação protocolada por parlamentares.

Apesar disso, nas principais cidades e nos mais importantes cargos em disputa, o padrão de candidato continua sendo o homem branco, disparado. É o caso dos 95 maiores municípios brasileiros, que têm mais de 200 mil eleitores e concentram 40% da população. Neles, oito a cada dez candidatos a prefeito foram homens, com destaque para Norte e Nordeste.

“A sociedade é machista, racista e homofóbica”, diz a professora Luciana Ramos, coordenadora de Pesquisa Jurídica Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo ela, é preciso cautela e acompanhar os resultados das eleições do segundo turno antes de comemorar o avanço maior de mulheres no comando das maiores prefeituras do País.

No pleito de 2016, os eleitores escolheram apenas três prefeitas nas 92 cidades onde era realizado segundo turno: Teresa Surita (MDB), em Boa Vista; Raquel Lyra (PSDB), em Caruaru (PE); e Paula Mascarenhas (PSDB), em Pelotas (RS). Na eleição de domingo, a atual prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), foi reeleita. Porém, Cinthia assumiu o comando municipal em 2018, com a saída do então prefeito para concorrer às eleições estaduais.

A doutora em Ciência Política Maria Teresa Berkauy, também pesquisadora do Centro de Estudos de Opinião Pública da Unicamp, destaca o avanço de candidatas mulheres ao segundo turno nas cidades do interior de São Paulo, como Ribeirão Preto, Bauru, Franca e Sorocaba. “Em Ribeirão Preto, por exemplo, Duarte Nogueira (PSDB) vai concorrer com Suely Vilela (PSB). Ribeirão Preto já teve uma prefeita (Dárcy Vera) e tem uma nova candidata”, lembra. São Vicente e Praia Grande, no litoral paulista, também têm candidatas disputando, bem como nas mineiras Contagem, Uberaba e Juiz de Fora (MG), Cariacica (ES), Pelotas (RS) e Santarém (PA).

O total de candidatas que concorreram à prefeitura neste domingo foi de 187, de um total de 1.055 candidatos, ou 17,7%. O total de mulheres (prefeitura e vereadores) somou 33,6% do total, ficando acima da média da cota de 30% para mulheres. A cota, contudo, só é válida para cargos não executivos.




Fonte: Portal Vermelho com informações da Folha de S.Paulo e do Valor Econômico

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top