Desalinhamento entre dólar e real se aprofunda e já preocupa o BC

Data de publicação: 17 Nov 2020


O desalinhamento entre dólar e real tem sido negativo ao longo de todo este ano, com exceção de janeiro, quando ficou positivo em 5,1%. Em fevereiro, o descasamento da taxa de câmbio em relação aos fundamentos piorou para -13,3% e afundou para -32,7% em março, mês do início da pandemia.

 
O dólar tem batido o real, diariamente, desde o início do governo de Jair Bolsonaro, há dois anos


O desalinhamento negativo da taxa de câmbio no Brasil voltou a aumentar no fim do terceiro trimestre e a ficar entre os maiores já vistos nos últimos anos, à medida que a moeda não reagiu à melhora de métricas de fundamentos de longo prazo, mostrou estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) obtido com exclusividade pela agência inglesa de notícias Reuters, na última sexta-feira.

O desalinhamento médio da taxa real de câmbio no Brasil em setembro de 2020 ficou em -34,2% — ou seja, o câmbio real estava naquele mês 34,2% mais fraco do que o sugerido por fundamentos. As estimativas dos modelos utilizados se situam num intervalo que vai de um desalinhamento de cerca de -25% a -43,6%, conforme o estudo. Em agosto, o desalinhamento médio fora de -29,2%, pior que o de -19,8% de julho.

Esse número tem sido negativo ao longo deste ano, com exceção de janeiro, quando ficou positivo em 5,1%. Em fevereiro, o descasamento da taxa de câmbio em relação aos fundamentos piorou para -13,3% e afundou para -32,7% em março, mês do início da pandemia.

— A persistência do desalinhamento frente a uma melhora consistente dos fundamentos ao longo de 2020 nos leva a reiterar que a desvalorização do real tem sido ocasionada principalmente por fatores de risco relacionados tanto à pandemia quanto à situação fiscal — disse Emerson Marçal, coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada da Escola de Economia de São Paulo da FGV (FGV EESP) e um dos autores do estudo, de divulgação trimestral.


Tendência


Entre os fatores por trás da melhora dos fundamentos de longo prazo estão posição internacional de investimentos mais forte e superávits consecutivos nas transações correntes.

Segundo Marçal, a tendência histórica é que o câmbio real convirja para a taxa sinalizada pelos fundamentos, o que poderia ocorrer por dois canais: apreciação da taxa nominal, na esteira de melhora da percepção fiscal e de alívio da pandemia, ou via inflação, cujo aumento recente ele destacou na entrevista.

— Se a gente não tiver algo do lado fiscal, o câmbio vai continuar depreciando, vai puxar os preços (da economia para cima) e o BC vai ter de subir juros para segurar a inflação. Está ficando cada vez mais difícil o BC evitar esse encontro com o juro mais à frente — acrescentou.

O estudo da FGV abarca os três primeiros trimestres de 2020 e, faltando três meses a serem avaliados, o desalinhamento médio cambial negativo em 2020 está em 24,3%, contra “gap” positivo de 4,6% em 2019.




Fonte: Correio do Brasil 
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top