A tragédia do fim do auxílio emergencial

Data de publicação: 13 Out 2020



O fim do auxílio emergencial sabotará o mercado interno de consumo e não há previsão de investimentos do setor privado – interno e externo







por Altamiro Borges



“Em cenário considerado otimista, o Brasil ampliará em cerca de 16 milhões o total de pessoas consideradas pobres quando o auxílio emergencial pago aos mais vulneráveis terminar, no fim de 2020”, informa a Folha, com base em projeções da FGV-Social. A desgraceira social, porém, deverá ser ainda bem maior.

“Esse contingente de ‘novos pobres’ ampliará para quase um terço os brasileiros que passarão a viver com menos de R$ 522,50 ao mês. O valor representa menos de meio salário mínimo e cerca de US$ 3 ao dia”, aponta o jornal. Apesar da crônica da tragédia anunciada, Jair Bolsonaro já anunciou o fim do benefício.

Aprovado pelo Congresso Nacional a contragosto do abutre Paulo Guedes, o pagamento do auxílio emergencial para mais de 65 milhões de brasileiros reduziu de forma inédita e abrupta a pobreza no país, trazendo-a ao seu menor patamar. “O fim do benefício terá o efeito contrário – e rápido”, destaca o jornalão.

Segundo projeções da FGV-Social, interrupção do auxílio aumentará o total de pobres de 23,6% (50,1 milhões de pessoas) para cerca de 31% (66,2 milhões). Isto na hipótese “mais otimista”, enfatiza a Folha – contando com uma rápida retomada do crescimento da economia e uma forte geração de empregos em 2021.

“Para que a pobreza não aumente tanto, a economia e o emprego teriam de passar por uma recuperação muito forte, com impactos positivos sobre a renda, algo fora da maioria das previsões”, argumenta a Folha, que registra números até adocicados para o Produto Interno Bruto (PIB) e para abertura de novas vagas.

“A expectativa do mercado é que o PIB em 2021 cresça 3,5%, numa recuperação que sequer compensará o tombo de 5% previstos para este ano. Já as previsões para o emprego são bastante pessimistas, com a taxa de desocupação oscilando entre 17% e 19% no início do ano que vem”, conclui a otimista Folha.

Entre economistas críticos da ortodoxia neoliberal não há motivos para acreditar em crescimento do PIB. O fim do auxílio emergencial sabotará o mercado interno de consumo e não há previsão de investimentos do setor privado – interno e externo. E o governo austericida já anunciou uma brutal retração no Orçamento. Quanto ao desemprego, já há quem afirme que a taxa vai superar rapidamente os 25% da força de trabalho.


Novos empregos e degradação do trabalho 


Para piorar, os empregos manterão a tendência da precarização. Como registrou o jornal Valor na sexta-feira (9), “quase a metade dos empregos existentes no país são de qualidade ruim, com salários baixos, instabilidade ou jornada excessiva, o correspondente a 40,8 milhões de ocupações (45,5% do total)”.

O próprio jornal voltado à cloaca burguesa reconhece que “o principal fator para a má qualidade do emprego no Brasil está no salário. O estudo mostra que 77,7% das ocupações remuneram insuficientemente… Logo após os salários, a falta de estabilidade pesa para a baixa qualidade das ocupações no país. Cerca de 40% dos trabalhadores estavam no emprego havia menos de 36 meses, o que evidenciaria a rotatividade excessiva”.

“Outro fator para a baixa qualidade do emprego é a seguridade. Do total de ocupados, 35,7% não contribuem para a Previdência Social, tornando-se desprotegidos de direitos trabalhistas, como os auxílios (doença, acidente e aposentadoria). Por fim, pesa negativamente a jornada de trabalho superior a 48 horas semanais, emprego sem carteira assinada ou trabalhador por conta própria sem ensino superior”.


Fortuna dos bilionários cresceu 39% na pandemia


Mas nem todos os brasileiros sofrem com as desgraceiras atuais e futuras ou estão preocupados com o fim do auxílio emergencial. Mesmo em meio à pandemia, a fortuna dos bilionários brasileiros cresceu 39% entre abril e julho de 2020, segundo relatório do banco suíço UBS e da PwC divulgado na semana passada.

O relatório mostra que a fortuna dos bilionários nativos somava US$ 176,1 bilhões ao fim de julho (R$ 983,3 bilhões), comparado a US$ 127,1 bilhões no início de abril deste ano e US$ 66,6 bilhões em 2009. Com esse valor, o Brasil ocupa a décima posição no ranking de países com maiores fortunas detidas pelos ricaços.



* Altamiro Borges é jornalista, presidente do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e colunista do Portal Vermelho.








Colabore com a campanha nacional!


No início do mês de setembro, o governo publicou a Medida Provisória (MP) 1000/20, que reduz o valor do auxílio emergencial pela metade. Isso é inaceitável!

Num país em que a cesta está custando cada vez mais caro, diminuir o auxílio para R$300 é deixar as famílias mais pobres ainda mais desprotegidas.

Pressione agora os parlamentares de seu estado e o presidente da Câmara para retomar a renda emergencial no valor de #600PeloBrasilhttps://napressao.org.br/campanha/600pelobrasil#pressione


Clique AQUI e baixe as PEÇAS DA CAMPANHA #600PeloBrasil para distribuir nas redes

Clique AQUI e colabore com o ABAIXO ASSINADO pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro

Clique AQUI e acesse a NOTA DAS CENTRAIS pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro 




Fonte: Portal Vermelho

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top