Centrais querem massificar luta por Auxílio Emergencial de R$ 600,00

Data de publicação: 21 Set 2020




As 11 Centrais Sindicais lançaram quinta (17) campanha e abaixo-assinado pela manutenção do valor do Auxílio Emergencial em R$ 600,00 até o mês de dezembro (saiba mais).

A mobilização visa pressionar Rodrigo Maia, presidente da Câmara, a pautar a Medida Provisória 1.000/2020, editada por Bolsonaro em 3 de setembro. A MP prorroga o benefício até dezembro, mas reduz o valor em 50%, ou seja, para R$ 300,00.

Os sindicalistas querem que os parlamentares alterem a Medida e restabeleçam o valor de R$ 600,00. O texto recebeu 262 propostas de emenda de deputados e senadores. Boa parte eleva o valor do benefício.

Segundo Sérgio Nobre, presidente da CUT, o Auxílio já mostrou sua importância para a sobrevivência das famílias e da economia. “É um crime essa redução. Com R$ 300,00 não dá pra comprar a cesta básica. O valor de R$ 600 é fundamental”, reforça.

Assinaturas – O abaixo-assinado já está disponível nas redes sociais. Clique aqui e assine. Os Sindicatos também percorrerão fábricas e bairros pra conscientizar a população sobre a importância de se manter o valor.

UGT – Ricardo Patah, presidente da UGT, afirma que as Centrais estão unidas, mas é preciso que os Sindicatos mobilizem suas bases. Ele também reforça a ação política. “Nosso movimento deve se reunir com as bancadas e sensibilizar os políticos Brasil a fora. Essa campanha é essencial para os trabalhadores, o movimento sindical e o País”, comenta.

Economia – Segundo economistas, desde que começou a ser pago, o Auxílio tem garantido parte do consumo em um cenário de recessão e alto desemprego. “Esse Auxílio aquece o mercado interno. Quem ganha muito concentra renda. Quem ganha pouco gasta tudo. Isso faz a economia girar. Principalmente em regiões mais pobres”, afirma Pedro Afonso Gomes, presidente do Sindicato dos Economistas de SP. Ele lembra que as parcelas de R$ 600,00 garantiram a sobrevivência de milhões de brasileiros. “O dinheiro foi gasto basicamente com alimento. O fato é que muita gente está sobrevivendo com os R$ 600,00”, diz Pedro Afonso.

Segundo pesquisa do Datafolha, 53% dos entrevistados que receberam o Auxílio Emergencial compraram comida; 25% pagaram contas; e 16% utilizaram para outras despesas domésticas.


Assine – Clique AQUI e acesse o abaixo-assinado.

NotaClique AQUI leia na íntegra documento das Centrais e do Dieese.




Fonte: Agência Sindical

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top