Guedes quer cortar outros programas sociais para bancar Renda Brasil

Data de publicao: 4 Ago 2020



Tidos como “ineficientes”, programas como o abono salarial, seguro-defeso para pescadores e farmácia popular estão na mira da equipe econômica de Bolsonaro.


 
Tidos como “ineficientes”, programas como o abono salarial, seguro-defeso para pescadores e farmácia popular estão na mira da equipe econômica de Bolsonaro.



O governo estuda estender o auxílio emergencial, destinado a trabalhadores informais, desempregados e beneficiários do Bolsa Família, até o fim de 2020, mas quer reduzir o valor para R$ 200 – o mesmo que o governo havia proposto no início da pandemia.

A jornalista Adriana Fernandes, do Estado de S. Paulo, ouviu fontes da equipe de Guedes sobre o assunto. Segundo a matéria, o governo quer substituir o auxílio emergencial e o Bolsa Família pelo Renda Brasil, mas não sabe se conseguirá tirar o programa do papel até o fim do ano.

A equipe econômica deseja ainda atrelar a criação de um programa social com a marca de Bolsonaro à proposta de revisão de gastos sociais considerados “ineficientes”.

Por isso, estão em risco programas como o abono salarial, seguro-defeso (pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes, quando a pesca é proibida) e farmácia popular.

A continuidade do pagamento do auxílio emergencial ajuda a garantir apoio a Jair Bolsonaro. O presidente, em tom de campanha, tenta capitalizar medidas aprovadas pelo Congresso. No caso do auxílio emergencial, após o governo propor o valor de R$ 200, os parlamentares avisaram que não aceitavam menos de R$ 500. Vendo que ia perder, Bolsonaro passou a defender R$ 600.

Pesquisas apontam que foi Bolsonaro quem mais ganhou com o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 dado aos trabalhadores informais que perderam renda por causa da pandemia do novo coronavírus. Mesmo que tenha inicialmente se posicionado contra o benefício, para o eleitor o que fica é que o dinheiro entrou na conta, foi pago pela Caixa Econômica Federal.

O auxílio emergencial foi criado em abril, por meio de uma lei aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada por Bolsonaro. A previsão inicial era que o auxílio fosse pago por três meses, mas a lei deu a possibilidade de prorrogação do benefício.




Fonte: Portal Vermelho com informações do jornal informações do Estado de São Paulo

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top