Brasil segue caminho oposto ao da OMS e se aproxima de 95 mil mortos pela Covid

Data de publicao: 4 Ago 2020



OMS reforça a importância de medidas sanitárias e de isolamento, uma vez que faltam estudos sobre poder e eficácia das vacinas que estão em desenvolvimento


 
OMS comemora avanço em direção à uma vacina contra a covid-19 mas mantém cautela sobre eficácia



O Brasil se aproxima de 95 mil morte causadas pela covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram registradas 556 mortes, que totalizam 94.660 óbitos desde o início do surto, em março. Já o número de infectados teve um acréscimo de 16.476 novos casos no período e são 2.750.153 ao todo. As informações são do Conass, Conselho Nacional de Secretários de Saúde, em boletim divulgado no início da noite desta segunda-feira (3).

O número é relativamente baixo, em comparação à média dos demais dias das últimas nove semanas – acima de mil mortos por dia. Às segundas-feiras, os números oficiais tendem a ser mais baixos porque há menos profissionais dos setores de Saúde que realizam tais registros. A distorção é corrigida ao longo dos dias seguintes, com a notificação dos casos represados.

Com exceção, portanto, das segundas-feiras, a curva de contágio da covid-19 no Brasil mostra tendência contínua de ascensão no número de casos e de relativa estabilidade nas mortes – porém, em números bastante elevados. –, o chamado platô. Mas, mesmo com mortes acima do milhar diariamente, o platô foi o argumento usado amplamente por governadores e prefeitos para relaxar medidas de isolamento social. Como resultado, as duas últimas semanas voltaram a registrar alta importante no número de vítimas.

 
Dados consolidados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass)



No caminho errado


O Brasil é o segundo país mais afetado pela covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Epicentro da doença no mundo por mais de um mês, o país não adotou medidas de controle da pandemia; ao contrário, governos locais negligenciaram medidas de isolamento, enquanto o governo federal, de Jair Bolsonaro, insiste em minimizar a doença e as mortes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou ontem (3) que a situação no Brasil “continua muito preocupante”, nas palavras do diretor-executivo da entidade, Michael Ryan. “É preciso criar condições para que a doença não se espalhe tão rapidamente, dar estrutura para que as comunidades possam seguir as regras e cada pessoa reduza sua própria exposição ao contágio”, completou.

No entanto, o Brasil caminha no sentido oposto. Aglomerações são cada vez mais frequentes, o que torna difícil seguir a orientação básica dada pela entidade: “A única saída para países com intensa transmissão comunitária, como o Brasil, é uma parceria forte entre governo federal, estaduais e o engajamento da sociedade”.


Vacinas


Cresce a expectativa em todo o mundo pelo anúncio de criação de vacinas contra a covid-19. Atualmente, são mais de 160 compostos em estudo; 25 em fase mais avançada. A OMS, por meio do diretor-geral, Tedros Adhanom, comemorou a velocidade com que a ciência busca uma saída para a crise. Entretanto, disse que é preciso cautela.

Isso porque, como o vírus tem circulação muito recente, ainda não houve tempo para o desenvolvimento de estudos mais elaborados e consolidados sobre imunização. As preocupações são, sobretudo, acerca do tempo de validade e poder da vacina contra a covid-19. “Não existe bala de prata no momento e talvez nunca exista”, disse Adhanom.

“Há a preocupação de que talvez não tenhamos uma vacina que funcione. Ou que a proteção oferecida possa durar alguns meses, nada mais”, ressaltou o especialista. Diante de tal cenário incerto, a recomendação segue pelo isolamento social. “Se fizermos tudo, se adotarmos uma abordagem abrangente, podemos mudar isso (o cenário atual).”




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA 

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top