SP: Pressão evita demissões em massa de motoristas em São Paulo

Data de publicação: 7 Jul 2020


Sorriso, presidente do Sindmotoristas fala em assembleia



Após a pressão e a mobilização de condutores da capital paulista, representantes das empresas e a SPTrans recuaram na decisão de reduzir mil coletivos da frota operacional que circula pela cidade.

A medida, segundo o Sindicato dos trabalhadores no transporte urbano de São Paulo, representaria a demissão de cinco mil funcionários. Entre eles motoristas, cobradores, fiscais e setor de manutenção. Dia 9, o Sindmotoristas iniciam as negociações com as empresas para definir a quantidade de coletivos em circulação, a garantia dos empregos e a retomada Campanha Salarial 2020.

Valmir Santana da Paz (Sorriso), presidente em exercício do Sindicato, informou que a entidade acionará na Justiça o setor patronal e a SPTrans, a fim de que cumpram o acordo assinado dia 10 de junho, que previa manter 100% da frota dos coletivos em operação. Ele avisa: “Não permitiremos que usem a pandemia como cortina de fumaça para promover demissões e sucatear direitos”.

De acordo com o dirigente, o Sindicato não permitirá que os trabalhadores sejam sacrificados. “Estamos preparados e dispostos a fazer uma grande batalha para garantir nossos direitos e condições seguras de trabalho”, avisa Sorriso.

O deputado federal e presidente licenciado do Sindicato, Valdevan Noventa, teve participação decisiva nas negociações. Segundo ele, a categoria arrisca sua vida e a de seus familiares durante a pandemia e merece ser valorizada. “Esses trabalhadores merecem, além de atenção redobrada, melhores condições de trabalho e reconhecimento pelo papel que desempenham na sociedade e na cidade”, enfatiza.

Contaminação – De acordo com  o Sindmotoristas, 155 profissionais contraíram a Covid-19 somente no mês de junho. Foram registradas 40 mortes, sendo nove com diagnóstico confirmado e 31 suspeitas. A categoria possui cerca de 60 mil trabalhadores em São Paulo.

Após reivindicações do Sindicato, as empresas de ônibus passaram a oferecer itens de proteção aos funcionários, como máscaras e álcool em gel. No entanto, Noventa também cobra a instalação de uma barreira de acrílico que separe os trabalhadores dos passageiros. “Continuamos insistindo nesse tema, principalmente após a flexibilização do isolamento, que aumentou o uso dos veículos”, explica.




Fonte: Agência Sindical 

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top