Moro se omitiu e Guedes é blindado pela mídia, destaca jurista

Data de publicação: 26 Maio 2020



Moro tenta “sair por cima” e mídia apoia “neoliberalismo desenfreado” de Guedes, que quer granada” no bolso dos servidores e vender a p* do Banco do Brasil




Morou ouviu, calado, um "escarcéu de ilegalidades"



Para o advogado Marcelo Uchôa, integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), as imagens da reunião ministerial de 22 de abril, demonstram que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal (PF), o que configura crime comum, segundo ele. Além disso, o silêncio do então ministro da Justiça Sergio Moro durante o “escarcéu” revela sua omissão diante dos abusos de todo tipo praticados pelo governo. A mídia tradicional também preferiu omitir as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, segundo ele.

“Foi um escarcéu de ilegalidades e desatenção com o Estado de direito. E o ministro da Justiça calado”, disse Uchôa a Marilu Cabanãs e Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta segunda-feira (25). Naquele momento, segundo Uchôa, Moro já buscava uma estratégia para “tentar sair por cima” do governo que participou.


Guedes


Sobre Guedes, o jurista afirma que ele “não tem o menor respeito com os servidores públicos e as estatais brasileiras”. Na reunião, o ministro disse que é preciso vender “a porra do Banco do Brasil”. Em outro momento, disse que já foi colocada uma “granada” no bolso dos servidores públicos, em referência á proposta de congelamento de salários por dois anos.

“É uma pena entregar a economia para um ministro que não gosta do Brasil. Que não entende o sacrifício para constituir estatais e formar servidores competentes. Não entende, sequer, a importância simbólica do Banco do Brasil.”

Para Uchôa, que também é professor de Direito da Universidade de Fortaleza (Unifor), a mídia tradicional buscou preservar a imagem de Guedes ministro, evitando destacar suas falas durante a reunião, pois apoia a mesma política “neoliberal desenfreada” do ministro.

“Tentam passar a imagem de que não querem expor o ministro para não criar mais tensões econômicas, alimentando cenário de profundas incertezas. Mas, na verdade, a mídia tradicional apoia essa política neoliberal desenfreada.”

O advogado ressaltou, ainda, que a falta de proteção social aos trabalhadores leva ao aumento das incertezas. “Ele acha que o trabalhador pode trabalhar debaixo do chicote, e que não vai reclamar nunca. É um erro grave, a história já mostrou.”


Confira abaixo:








Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top