STF mantém MP, mas considera ‘erro grosseiro’ não respeitar a ciência e impõe derrota a Bolsonaro

Data de publicação: 22 Maio 2020



Ao julgar Medida Provisória 966/2020, tribunal manteve texto, mas enquadrou atos que desconsiderem normas técnicas e científicas reconhecidas




Presidente do tribunal, Toffoli chega para sessão em que os ministros votaram por teleconferência / Fellipe Sampaio /SCO/STF



Por maioria, o Plenário do Supremo Tribunal considerou constitucional a Medida Provisória 966/2020, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, que protege agentes públicos, servidores e ele próprio de punição por erros na condução de políticas de combate à pandemia de coronavírus. Apesar de manter o texto, a maioria estabeleceu parâmetros para evitar interpretações não científicas à MP.

Segundo a medida, os agentes públicos “somente” poderão ser responsabilizados, civil e administrativamente, “se agirem ou se omitirem com dolo ou erro grosseiro pela prática de atos relacionados com as medidas de enfrentamento da pandemia da covid-19”.

O julgamento definiu que, na interpretação de “erro grosseiro”, devem ser levadas em conta as normas e critérios científicos e técnicos, com destaque para as orientações da Organização Mundial de Saúde e princípios constitucionais de “precaução e prevenção”.

Segundo o julgamento, configura “erro grosseiro” o ato administrativo que ignore o direito à vida, à saúde ou ao meio-ambiente sem a observação de normas e critérios científicos “nacional e internacionalmente reconhecidos”.

Sem essa interpretação, a punição a agentes públicos seria mais difícil. Assim, o STF aumentou a possibilidade de agentes públicos serem responsabilizados se não levarem em conta em seus atos as normas científicas, médicas e técnicas.

Os votos integralmente vencedores foram dos ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Rosa Weber, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli.

Alexandre de Moraes e Cármen Lúcia votaram por restrições maiores à MP, suprimindo trechos. O ministro Marco Aurélio Mello votou pela suspensão integral da medida provisória.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top