Como superar o desequilíbrio inerente à relação de trabalho?

Data de publicação: 20 Maio 2020





por Nailton Francisco de Souza



A nova forma de organização social e internacional do trabalho coloca a associação sindical e a consciência de classe diante de uma grande crise de viabilização da representação e união de trabalhadores (as) e a participação da massa operária de forma democrática nas relações com o Estado e, reposta mais precisa, para superar à desigual relação capital e trabalho é o fortalecimento da coletividade, união e solidariedade de classe.

Na sociedade contemporânea, fortemente estimulada ao consumo, que nem sempre reflete a real necessidade das pessoas. O dinamismo do mercado não permite que elas reflitam sobre realidade e interesses próprios, o que faz com que sigam rotinas sem observarem que não é exatamente o que lhes satisfazem ou as prejudicam.

Têm pessoas em nosso meio com interesses dúbios. Ou seja, não conseguem refletir e ficam reféns de um ciclo vicioso de consumo e trabalho, no qual precisa trabalhar cada vez mais e pensar menos. E por inúmeras razões, o tempo livre vira o tempo do consumo, o que torna a vida extremamente limitada.

Na visão do professor e escritor americano, David Konstan o homem vive numa época de “empobrecimento emocional coletivo” e as sociedades individualistas de nosso tempo sofrem de uma “síndrome crônica de empobrecimento social e emocional”. E a vida emocional do homem contemporâneo parece ter ficado restrita ao “universo do erotismo e das aventuras emocionais”.

Sendo que uma das formas de reverter essa situação de empobrecimento emocional do homem moderno é fazê-lo participar de eventos, que amplia os espaços para a vida social e pública e conduz as pessoas para a experimentação conjunta de emoções. Pois por meio de sua participação em eventos, o homem moderno “aprende a reaprender a ter emoções, desenvolver seu senso crítico, aprimora suas visões, preza a liberdade”.

Diante da conjuntura política e econômica que atravessamos desde 2016 com a retirada de Dilma Rousseff da presidência do Brasil e, principalmente, nesse momento de pandemia provocada pelo novo coronavírus, tem marcado um aprofundamento das políticas neoliberais representados pelo profundo ataque e retirada de direitos dos trabalhadores (as), após o fim do pacto de conciliação conquistado na (Constituição Federal de 1988). Desde então para o movimento sindical brasileiro, os anos passados foram de insegurança e incertezas econômicas e políticas.

O sindicato combativo, enquanto instrumento de luta frente ao capital, que dá a segurança e ameniza os impactos da exploração e impede a retirada de direitos, é encardo como uma grande ameaça à aplicação de políticas como as previstas nas leis aprovadas nos governos Michel Temer (MDB de 2016 a 2018) e atualmente por Jair Bolsonaro (ex-PSL).

As crises financeiras que aparecem com frequência, servem de munição para os empresários se juntarem para barrar as conquistas da classe trabalhadora, pois no Estado Neoliberal, enfraquecer os trabalhadores (as) e seus sindicatos é parte essencial para a implementação de todos os ataques pretendidos pela classe dominante.

O exemplo mais nefasto desta ruptura está no texto das leis da Reforma Trabalhista (13.467/2017) que alterou a CLT – Consolidação das Leis do Trabalho -, que aprofunda a exploração da classe trabalhadora e a torna cada vez mais fragilizada na relação de trabalho; da Terceirização Irrestrita (13.429/2017); Emenda Constitucional (95/2016), que limita por 20 anos os gastos públicos e a Emenda Constitucional (103/2019) da Reforma da Previdência.

Um obstáculo para o desenvolvimento de um país é a parcela da economia que provém de atividades deliberadamente não declaradas ao poder público, para sonegar impostos ou por serem ilegais, e não melhorias nas condições de trabalho, salários e distribuição de renda, para que todos possam ter uma vida mais digna.



* Nailton Francisco de Souza (Porreta) é diretor Executivo do SindMotoristas – SP e Secretário Nacional de Comunicação da Nova Central Sindical de Trabalhadores.




Fonte: Blog O Veículo


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top