Datafolha: 73% apoiam isolamento temporário contra coronavírus

Data de publicação: 24 Mar 2020



Entrevistados concordam com medidas mais restritivas de forma geral; 37% dizem ter parado de trabalhar, maioria composta de jovens ricos e mais escolarizados




Imagem da Avenida Paulista neste sábado (21). População tem evitado sair às ruas



Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (22) mostra que a grande maioria dos entrevistados apoia medidas de contenção para tentar barrar a epidemia de coronavírus. O instituto ouviu, por telefone, 1.558 pessoas. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou menos.

Quando perguntados se são a favor de o governo proibir por algum tempo todas as pessoas de saírem nas ruas para diminuir o contágio do coronavírus, 73% apoiam a ideia, enquanto 24% são contrários, 2% se dizem indiferentes e 1% não souberam responder.

O presidente Jair Bolsonaro tem resistido à ideia de adoção de medidas mais restritivas de circulação de pessoas. Reagindo a medidas adotadas por governadores neste sentido, ele editou na noite da sexta-feira (20) um decreto e uma medida provisória que garantem ao governo federal a competência sobre circulação interestadual e intermunicipal. Segundo as medidas, caberá ainda ao presidente indicar quais os serviços públicos e atividades essenciais deverão ter o funcionamento preservado durante a pandemia.

Em vídeo, o biólogo e doutor em Microbiologia pela Universidade de São Paulo (USP) Atila Iamarino defendeu que o Brasil precisa passar das medidas de mitigação que estão sendo tomadas pelo poder público para iniciativas mais contundentes, como o isolamento total.

“Não temos empresas parando, trabalho parando e todo mundo que poderia ser dispensado não está em casa. Nenhum país pode parar serviços essenciais, mas a circulação de pessoas precisa parar”, aponta. Segundo ele, o país tem duas opções para combater a epidemia: com a vida semi-restrita ou completamente restrita. Este último cenário, de acordo com ele, seria o mais correto a ser adotado para salvar o maior número de vidas possível.

Sobre os efeitos da pandemia no cotidiano, 37% dos entrevistados disseram ter parado de trabalhar, 55% deixaram de ir a aulas, 76% interromperam atividades de lazer e 46% não saem mais às ruas. Entre os que pararam de trabalhar, a maioria é composta de jovens, de renda mais elevada e escolarizados.


Medidas mais apoiadas


A suspensão de eventos com mais de 100 pessoas é a medida com mais alta taxa de aprovação, 95%, seguindo-se a suspensão de viagens internacionais (94%) e a suspensão de aulas nas escolas, das viagens em geral e o fechamento de fronteiras (92%). A interrupção de campeonatos de futebol é apoiada por 91%.

Já a suspensão de celebrações religiosas presenciais é aprovada por 82%, enquanto o fechamento do comércio é o tema que mais causa divisões: 46% são favoráveis, 33% são contrários, e 21% aprovam a medida parcialmente.

Neste sábado, o governador de São Paulo João Doria decretou quarentena em todo o estado a partir de 24 de março, com duração estimada em um período de 15 dias. Em caráter de excepcionalidade, poderão permanecer abertos hospitais, clínicas médicas e odontológicas, farmácias, supermercados, hipermercados, padarias e açougues, bancas de jornais, lojas de pet shop e transportes. Restaurantes e bares poderão funcionar só com serviço de entrega.


Pessoas se dizem informadas sobre coronavírus


Entre as pessoas ouvidas pelo Datafolha, 99% dizem ter conhecimento sobre o coronavírus, e 72% se consideram bem informados. Outros 24% se dizem mais ou menos informados e 3% afirma estar desinformados.

A pesquisa mostra ainda que 74% têm medo de ser infectados pelo coronavírus, sendo que 36% afirmam ter muito medo, e 38%, pouco. O índice mais elevado de pessoas que acreditam que não serão contaminadas é o principal grupo de risco: 19% daqueles com mais de 60 anos creem que não serão infectados.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA 

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top