Com emprego precário, cai proporção de contribuintes para a Previdência

Data de publicação: 18 Fev 2020



Em 2016, ano do impeachment, quase dois terços dos ocupados (65,6%) contribuíam. No ano passado, essa proporção foi de 62,9%




Previdência, que passou por 'reforma' em 2019, enfrenta problemas com falta de servidores. E desemprego afeta contribuição



por Vitor Nuzzi 



Com mercado de trabalho fraco e predomínio da informalidade entre os empregos que são criados, também diminui a proporção de trabalhadores que contribuem para a Previdência. Essa tendência vem se verificando desde 2016 – coincidentemente, ou não, ano do impeachment. Naquele ano, quase dois terços dos ocupados (65,6%) contribuíam. No ano passado, essa proporção foi de 62,9%, ante 63,5% em 2018.

Em números absolutos, havia em 2019 um total de 58,7 milhão de contribuintes, até mais do que no ano anterior, devido ao crescimento da ocupação – ainda que predominem as vagas informais. Esse total era de aproximadamente 59,7 milhões em 2015. Assim, em quatro anos, o país perdeu perto de 1 milhão (exatos 941 mil) pessoas que contribuíam para a Previdência, pelo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE.

A pesquisa do instituto é feita por amostragem. Mas dados da própria Previdência Social mostram essa tendência de queda nos últimos anos, conforme o seu Anuário Estatístico.

Entre as regiões brasileiras, a maior proporção de contribuintes está no Sul (75%) e a menor, no Norte (44%). Nas unidades da federação, varia de 38,4% (Pará) a 81,2% (Santa Catarina). Em São Paulo, é de 66,9%. Dezessete estados ficam abaixo da média nacional.

“A gente percebe que o crescimento da população contribuinte não está acompanhando o crescimento da população ocupada como um todo”, observa a analista do IBGE Adriana Beringuy. “Enquanto a população ocupada aumentou 2% (de 2018 para 2019), o contingente de contribuintes para a previdência só cresceu 1,7%. Como já vimos, o crescimento da população ocupada está calcado na informalidade. E, com o trabalho informal, diminui a contribuição previdenciária”, acrescenta.

Na sexta-feira (14), centrais sindicais e servidores fizeram protestos contra o que chamam de “desmonte” da Previdência. Manifestações foram realizadas em postos do INSS por todas as regiões do país.


Negros e jovens


A taxa média de desemprego no país foi de 11,9% no ano passado, mas cresce para alguns segmentos: é maior, por exemplo, entre jovens e negros, de acordo com a Pnad Contínua, do IBGE.

Para os desempregados brancos, a taxa ficou em 8,7%. Sobe para 12,6% entre os pardos (classificação usada pelo instituto) e ainda mais entre os pretos, 13,5%.

No recorte por idade, a taxa de desemprego fica próxima da média nacional no grupo mais numeroso, que se concentra dos 25 aos 39 anos: 10,3%. Cai a 6,6% na faixa de 40 a 59 anos e ainda mais para trabalhadores acima de 60 anos (4,2%). E dispara na população de 18 a 24 anos (23,8%) e de 14 a 17 anos (39,2%).

Aproximadamente 2,9 milhões de desempregados procuram trabalho há pelo menos dois anos. Esse contingente cresceu 133% desde 2012. A maioria se concentra no período entre um mês e um ano.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top