MP 905 deveria ser completamente rejeitada, segundo juiz do Trabalho

Data de publicao: 14 Fev 2020



Vice-presidente da Anamatra aponta inconstitucionalidades na medida, e diz que o risco é “não sobrar nada” da legislação trabalhista




Magistrado ressalta que jovens já contam com legislação específica para estágio e aprendizagem



Em vigor há mais de três meses, a medida provisória do contrato de trabalho “verde e amarelo” – a MP 905 – criou uma “categoria menor” para os jovens trabalhadores, com menos direitos. Ainda assim, as contratações prometidas não aconteceram. A proposta, que está sendo discutida em comissão mista do Congresso Nacional, carrega uma série de inconstitucionalidades e deveria ser completamente rejeitada, segundo o vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luiz Antonio Colussi.

Ao mesmo tempo em que trata do primeiro emprego para jovens de 18 a 29 anos, a medida também acaba, por exemplo, com o registro profissional para categorias como a dos jornalistas e radialistas. O juiz lembra que algumas dessas mudanças constavam na MP 881, que ficou conhecida como “MP da liberdade econômica”, e foram rejeitadas pelos parlamentares.

“Esperamos que nesta comissão mista que analisa a medida também se possa ter essa solução. O ideal seria a rejeição completa da MP 905”, afirmou à jornalista Marilu Cabañas, para o Jornal Brasil Atual, nesta quinta-feira (13).

Para o magistrado, a MP 905 é mais uma reforma trabalhista, “com efeitos deletérios para os trabalhadores e para a sociedade brasileira”. A proposta do governo prevê que os jovens trabalhadores podem ser contratados por até 24 meses, com rendimento limitado a 1,5 salário mínimo, com redução na alíquota de contribuição para o FGTS (de 8% para 2%) e da multa do Fundo de Garantia (de 40% para 20%). As desonerações concedidas aos empresários serão compensadas com a cobrança de contribuição previdenciária de quem recebe seguro-desemprego.  

Segundo juízes do Trabalho que participaram de audiência pública no Senado nesta quarta-feira (12), a MP 905 revoga 37 artigos da CLT e altera outros 57. “Daqui a pouco a gente não vai ter mais nada dentro da CLT para proteger os trabalhadores e os empregos”, alertou o vice-presidente da Anamatra.


Ouça a entrevista da Rádio Brasil Atual:


 




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top