Democracia no Brasil vive 'crise genuína de legitimidade', alerta Cambridge

Data de publicação: 13 Fev 2020



A crescente desigualdade social e a crise econômica desde 2008 pesaram de forma decisiva







por Jamil Chade



A insatisfação com a democracia atinge níveis inéditos e o Brasil é um dos países onde o mal-estar é mais profundo. Os dados foram publicados pelo Centro para o Futuro das Democracias da Universidade de Cambridge. .

De acordo com a entidade, o Brasil é um dos locais onde existe uma "crise genuína de legitimidade da democracia", com menos de 20% da população satisfeita com a situação. A taxa é a pior desde que o índice passou a ser avaliado, nos anos 90. 

A universidade, uma das referências no mundo, divide os 65 países avaliados em diferentes categorias. Mas constata que, no mundo, o número de cidadãos insatisfeitos com a democracia dobrou desde os anos 90. A crescente desigualdade social e a crise econômica desde 2008 pesaram de forma decisiva. 

"A democracia está num estado de mal-estar", declara o documento. "Em meados dos anos 90, a maioria dos cidadãos dos países para os quais temos dados- na América do Norte, América Latina, Europa, África, Oriente Médio, Ásia e Oceania - estava satisfeita com o desempenho de suas democracias. Desde então, a proporção de "insatisfeitos" com a democracia aumentou em dez pontos percentuais, de 47,9% para 57,5%", explica. 

"Este é o maior nível de insatisfação global desde o início da série, em 1995", alertou. "Após um grande aumento na insatisfação cívica na década anterior, 2019 representa o mais alto nível de descontentamento democrático registrado", constatou. 

Na avaliação dos acadêmicos, o ano de 2005 marca o início da chamada "recessão democrática global". Naquele momento, apenas 38,7% dos cidadãos se diziam "insatisfeitos" com a democracia. Desde então, a situação mudou de forma radical. 

"Muitas das democracias mais populosas do mundo - incluindo os Estados Unidos, Brasil, Nigéria e México - lideraram a tendência de queda", destacam os britânicos. "Nos Estados Unidos, os níveis de insatisfação com a democracia aumentaram em mais de um terço da população em uma geração. Como resultado, muitas grandes democracias estão em seu nível mais alto já registrado para a insatisfação demográfica. Estas incluem os Estados Unidos, Brasil, México, Reino Unido, África do Sul, Colômbia e Austrália", apontam. 


Ranking


O estudo aponta que nem todos os países vivem a democracia da mesma maneira. Num pelotão de elite, estão países como a Suíça, Holanda e Dinamarca, que poderiam ser considerados como "ilhas de estabilidade democrática". Nessa situação privilegiada, porém, vivem apenas 2% da população governados por regimes democráticos.

Um segundo grupo conta com "casos de preocupação", onde menos da metade da população se diz "insatisfeita" com a democracia. Nesse bloco estão a Alemanha, Canadá ou Austrália. O grupo seguinte é classificado como sendo o do "mal-estar" e onde estariam 1,1 bilhão de pessoas vivendo. Esse bloco conta com EUA, Japão, Espanha ou França. 

Mas é no último grupo que está o Brasil, ao lado de México e Ucrânia, classificados entre os locais onde a democracia vive uma "crise".

"Em 1985, o Brasil retornou ao regime democrático após duas décadas de ditadura militar", diz. "Entretanto, durante grande parte do período desde então, as instituições do país lutaram para ganhar credibilidade, com a corrupção persistente, a pobreza urbana e a crescente violência criminosa, que mancharam a impressão de que a democracia pode produzir", alerta. .

"Uma breve exceção a esse mal-estar ocorreu durante a primeira década do século XXI, sob o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, de 2003 a 2010", destaca Cambridge. 

Segundo os britânicos, o governo Lula usou o dinheiro do boom de commodities e investiu em programas para aliviar a pobreza generalizada e reduzir a desigualdade, mantendo o compromisso de reduzir a inflação, conter a dívida pública e atraindo investimentos estrangeiros diretos. "Quando o Brasil recebeu o direito, em 2007, de realizar a Copa do Mundo da FIFA, parecia que o eterno "país do futuro" de De Gaulle havia finalmente chegado - se não exatamente no futuro, então, pelo menos nos dias de hoje democráticos", diz o informe. 

"Pela primeira vez, a maioria dos brasileiros expressou satisfação com seu sistema político - um sentimento de contentamento que duraria até que o próprio torneio fosse realizado em 2014", constata. 

"Em retrospectiva, porém, esse foi apenas um hiato entre dois períodos de instabilidade - um marcado pelo rescaldo da crise financeira dos mercados emergentes do final dos anos 90, e outro que começou com as investigações da Lava Jato, que expuseram o clientelismo e o nepotismo generalizados no sistema político brasileiro", destaca a Universidade de Cambridge. 

Segundo o estudo, com o ex-presidente Lula na cadeia, no final de 2018, o "candidato populista de direita Jair Bolsonaro" conquistou a presidência com um discurso contra o crime organizado e a nostalgia da antiga ditadura militar do país. "Para o Brasil, ao que parece, o futuro foi adiado mais uma vez", lamenta o centro de pesquisa. 


Fracasso de uma Região


De fato, a universidade britânica aponta que "nenhuma outra região do mundo tem a perspectiva de consolidação democrática tão elusiva como na América Latina". .

"No século XIX, os países da região estiveram entre os pioneiros do governo republicano, com eleições competitivas no Chile, Colômbia e Peru, entre outros casos. No entanto, há mais de um século, as instituições democráticas têm sido destruídas por crises cíclicas, culminando em golpes militares, guerras civis, populismo revolucionário e ditaduras de partido único", alerta. 

"Em cada período em que as instituições democráticas pareciam estar criando raízes - nos anos 20, 50 e 80 - seguiu-se outro período em que a sua legitimidade se deteriorou e o ciclo se repetiu de novo", aponta. 

"Estamos atualmente no meio de uma tal "onda inversa". Mais de 3 em cada ano 4 cidadãos em toda a região registram insatisfação com o desempenho da democracia - o mais alto nível desde o início das pesquisas de opinião pública", destaca o informe.

Cambridge aponta para a crise na Venezuela, no Equador e na Bolívia, "a recente eleição de líderes populistas no México e no Brasil" e os violentos protestos e motins na Colômbia e no Chile.

O estudo lembra como Lula, no Brasil, Michele Bachelet, no Chile, e Cristina Fernandez de Kirchner, na Argentina - foram eleitos como parte de uma "onda rosa" de políticos social-democratas, "prometendo usar os lucros de um boom de commodities para investir para lutar contra as desigualdades arraigadas". 

"Apenas duas décadas depois da rápida transição da América Latina para a democracia liberal, parecia que a América Latina estava seguindo o caminho social-democrata da Espanha, Itália e Portugal", indicou. 

Mas o processo fracassou. "A promessa da "onda rosa" se mostrou insustentável porque mesmo seus membros mais moderados - por exemplo, o presidente Lula no Brasil ou Cristina Fernandez de Kirchner na Argentina - permaneceram presos à tradição populista do clientelismo e dos gastos pró-cíclicos", alertou. 

Quase todas as grandes economias caíram em seu ranking no Índice de Competitividade Global do Fórum Econômico Mundial na década, até 2018. 

O fracasso, porém, também estava ligada a questões crônicas.

"A corrupção é endêmica e tem se deteriorado nas últimas décadas", aponta. "O crime violento está fora de controle, já que países como o México ao Brasil relatam taxas de homicídio que são o dobro ou o triplo do nível de duas décadas anteriores", disse. "E as injustiças sociais persistem com taxas de impostos regressivas e mercados de trabalho informais que excluem os pobres das proteções e serviços legais básicos", completa.

Tudo isso contribuiu para o atual "ano de raiva" da América Latina, com protestos violentos de Buenos Aires a Bogotá, e de Santiago a San Juan, Porto Rico.
"Embora seja possível que níveis recorde de insatisfação e os protestos cívicos resultantes possam levar a uma renovação democrática, outras medidas da pesquisa pintam uma interpretação menos otimista", alerta.

Citando o Informe Latinobarometro de 2018, Cambridge adverte que o apoio pela democracia sobre outras formas de governos caiu para menos da metade das pessoas entrevistadas. Enquanto isso, a proporção de pessoas que acreditam que altos níveis de crime e corrupção justificam um golpe militar atingiu 37% na América Latina. 



* Jamil Chade é é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.




Fonte: Portal UOL

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top