Bolsonaro impede acesso dos mais pobres ao Bolsa Família e fila de espera chega a 1 milhão

Data de publicação: 12 Fev 2020



Desde o ano passado, os 200 municípios com menores rendas perdem em cobertura e atendimento. Uma a cada três cidades não tem acesso a novos auxílios nos últimos cinco meses




Com o governo Bolsonaro, o Bolsa Família atinge o período mais longo de baixo índice de cobertura de novos beneficiários da história



Em todos os 200 municípios de menor renda per capita do Brasil, o programa federal Bolsa Família foi congelado pelo governo de Jair Bolsonaro, como aponta levantamento do jornal Folha de S. Paulo divulgado nesta segunda-feira (10). De acordo com o jornal, nas cidades mais pobres há um recuo no número de famílias atendidas e na inclusão de novos beneficiários, deixando um em cada três municípios sem o auxílio nos últimos cinco meses.

Com isso, a fila de espera para atendimento do programa, que havia sido extinta em julho de 2017, voltou a crescer e, segundo integrantes do próprio governo, documentos internos mostram que, ao todo, 1 milhão de pessoas aguardam pelo auxílio, sem qualquer previsão de atendimento. “É o período mais longo de baixo índice de cobertura de novos beneficiários da história” do Bolsa Família, destaca a matéria da Folha.

Em meio ao desemprego que atinge 12,6 milhões de brasileiros e ao aumento da extrema pobreza, o governo Bolsonaro faz cortes de recursos no orçamento do programa, que neste ano teve aprovada a verba de R$ 29,5 bilhões ante R$ 32,5 bilhões em 2019, enquanto as pessoas não conseguem sequer marcar o atendimento. Criado no governo Lula, o Bolsa Família foi o responsável por tirar milhões de brasileiros do Mapa da Fome. Mas, sob a alegação de falta de dinheiro, o atual governo vem desde o ano passado restringindo a entrada de beneficiários.

Pelo Twitter, a ex-presidenta Dilma Rousseff destacou que a “destruição do Bolsa Família é um crime contra a Nação”. “Bolsonaro não está apenas abandonando o programa, mas pretende destruí-lo. O desprezo pelas necessidades dos mais pobres revela em toda a sua perversa dimensão a desumanidade da agenda neoliberal aplicada pelo seu governo”, contestou a ex-presidenta. 

Na mesma rede social, a deputada federal Talíria Petrone (Psol-RJ) lembrou que o ministro da Cidadania, Osmar Terra, responsável pelo comando do programa, deve respostas a dois requerimentos de informação, que questionam, desde outubro, os cortes e o aumento da fila. Até o momento, a única resposta da pasta, em janeiro, apresentou uma média anual da fila de espera em 494,2 mil famílias. Mas a resposta, que veio só após ordem da Controladoria-Geral da União (CGU), é desmentida por documentos internos apontando o patamar de 1 milhão de pessoas sem atendimento a partir de maio.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top