Bolsonaro exclui sociedade civil de conselho do Fundo Nacional do Meio Ambiente

Data de publicao: 10 Fev 2020



Oposição reagiu com apresentação de projeto para sustar medida; fundo responde por políticas sustentáveis




Em 2019, gestão Bolsonaro também reduziu de 22 para quatro, por exemplo, postos da sociedade civil no Conama - Wilson Dias/Agência Brasil



por Cristiane Sampaio
edição de Camila Maciel




O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou, na quinta-feira (6), um decreto que extingue as vagas destinadas a representantes da sociedade civil no conselho deliberativo do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA). Com isso, o fundo passa a ser composto exclusivamente por integrantes de órgãos do Poder Executivo federal.

Os postos que foram alvo do decreto eram destinados a interlocutores da Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente (Anamma), do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (FBOMS), da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e da Associação Brasileira de Entidades do Meio Ambiente (Abema).

Criado em 1989, o FNMA responde pelo incentivo a políticas sustentáveis e tem, para este ano, um orçamento de R$ 33 milhões.   

Integrantes da oposição já articulam reações à medida de Bolsonaro. A líder da minoria na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), apresentou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 28/2020, que pede a anulação do dispositivo.  





Reação


O presidente da Comissão de Meio Ambiente da Casa, Rodrigo Agostinho (PSB-SP), prepara uma medida com o mesmo teor. Segundo ele, o documento será protocolado ainda nesta quinta-feira.

“A gente recebe [a notícia] com muito espanto. Se tem algo que precisa ser tratado com muita transparência e controle social, são os fundos. A partir do momento em que você exclui órgãos da sociedade civil e inclusive órgãos de governo, você acaba com o controle social, destrói a transparência, e a possibilidade de irregularidades dentro do fundo começa a aumentar. Isso vai na contramão de tudo o que se prega do ponto de vista de como as questões públicas devem ser tratadas”, disse ao Brasil de Fato.

O decreto desta quinta-feira vem no bojo de uma série de outras ações do governo Bolsonaro que tiveram como alvo a participação da sociedade civil em colegiados ligados à administração federal. Em 2019, por exemplo, a gestão reduziu de 22 para quatro esse tipo de posto no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), gerando múltiplas reações.  




Fonte: Brasil de Fato 


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top