Senado aprova PEC que torna feminicídio crime imprescritível e inafiançável

Data de publicação: 8 Nov 2019


Senadoras comemoram aprovação da PEC na noite de hojeImagem: Ascom Simone Tebet



por Hanrrikson de Andrade



O Senado Federal aprovou hoje, por unanimidade, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que inclui o feminicídio e o estupro no rol de crimes inafiançáveis e imprescritíveis.

O projeto recebeu aval do plenário da Casa tanto no primeiro turno (58 votos a zero) quanto no segundo turno (60 a zero), realizados no mesmo dia por força de um acordo entre os líderes para quebra de interstício (intervalo regimental entre os dois turnos). A matéria segue agora para a Câmara dos Deputados, onde iniciará nova tramitação.

Um dos objetivos da proposição é reduzir a possibilidade de fuga de assassinos de mulheres. Tornando-o imprescritível, isto é, sem prazo de validade, o criminoso poderia ser julgado mesmo anos depois de matar pelo simples fato de a vítima ser mulher.

Além disso, se definido como inafiançável, um eventual suspeito não poderia deixar a cadeia pagando uma determinada quantia.

A PEC é de autoria da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), e o parecer favorável foi elaborado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) por Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Rose argumenta que um estudo recente da OMS (Organização Mundial da Saúde) colocou o Brasil em um "desenroso quinto lugar na taxa de feminicídios entre 84 nações pesquisadas". Já o Mapa da Violência de 2015 indica que, entre 1980 e 2013, mais de 106 mil pessoas morreram apenas por sua condição de ser mulher.
Com referência às estatísticas negativas, a senadora capixaba diz ser possível "avançar mais" e ampliar a lista de dispositivos legais de proteção à mulher, que já conta com a Lei Maria da Penha, aprovada em 2006, e a Lei do Feminicídio, em 2015.

Em seu parecer, Vieira relata concordar com o mérito da proposta e diz que é necessário "comunicar aos agressores que a violência contra as mulheres não é admissível e será severamente punida pela ação estatal".

"Tornar o feminicídio imprescritível é um dos caminhos possíveis para a dissuasão que pretendemos."

O Senado deve votar ainda nesta terça-feira a chamada "PEC paralela", emenda constitucional que inclui estados e municípios na reforma da Previdência. De acordo com a pauta do plenário, esse projeto, uma das prioridades da Casa, deve ser apreciado na sequência.

A votação da PEC do feminicídio foi também uma forma de o presidente Davi Alcolumbre e do líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), testarem o quórum para gantir, logo em seguida, a aprovação da "PEC paralela". Para que a matéria seja apreciada, são necessários 49 senadores presentes. Já a aprovação depende de maioria absoluta (41 votos).




Fonte: Caderno Universa - UOL
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top