PEC do governo permite redução de gastos com saúde e educação

Data de publicação: 6 Nov 2019





O governo apresentou nesta terça-feira (5) uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que pode derrubar os gastos públicos com saúde e educação. O texto prevê a inclusão dos valores de aposentadorias e pensões no cálculo do mínimo constitucional que a União é obrigada a gastar nas duas áreas. Atualmente, essa conta leva em consideração somente os gastos com pessoal ativo.

A alteração está dentro da PEC emergencial, que busca criar gatilhos para permitir uma redução de gastos do governo em momentos de aperto orçamentário.

Na prática, a proposta permite uma manobra contábil, que faz uma migração de despesas já existentes para dentro da conta de gastos obrigatórios. Com isso, fica mais fácil que os entes federativos - União, estados e municípios – cumpram a meta, gastando menos.

Por exemplo, se uma pasta destina R$ 20 bilhões em gastos obrigatórios, mais R$ 4 bilhões em despesas com aposentados, ela poderia reduzir o valor total para apenas R$ 20 bilhões, diminuindo a quantia destinada a algum setor dentro da área de gastos obrigatórios, como despesas em saúde básica, no caso da saúde.


Valor obrigatório


Desde 2018, o mínimo constitucional é calculado com base no valor aplicado no ano anterior, reajustado pela inflação. No caso da saúde, esse piso é de, no mínimo, 15% da receita corrente líquida; já na educação, de 18%. Para os estados e municípios, que também são obrigados a gastar uma fatia, esse cálculo leva em conta outros critérios.

A previsão para o piso de saúde em 2020 está em R$ 121,2 bilhões. Para atingir esse valor, no entanto, o governo federal precisa recorrer a emendas parlamentares. Na educação a situação é mais folgada. Para o ano que vem, o mínimo está em R$ 54,4 bilhões, mas a União planeja gastar R$ 98,3 bilhões.

Com a mudança na lei, essas duas contas levariam em consideração os gastos com aposentados nas duas áreas. No caso do Ministério da Saúde, o valor neste ano está previsto em R$ 9,6 bilhões, já no Ministério da Educação, a previsão é de R$ 15,7 bilhões.




Fonte: Congresso em Foco 

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top