A armadilha de Guedes para a educação

Data de publicação: 15 Out 2019



Em março, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação denunciou o esforço do Governo Bolsonaro em revogar a Portaria 08/2010 no Conselho Nacional de Educação (CNE) - que diz respeito ao Custo Aluno-Qualidade Inicial (CAQi) e o Custo Aluno-Qualidade (CAQ). Na contramão da valorização do Ensino Básico, havia, na articulação de Paulo Guedes, a preocupação calculada em remover entraves legais para a implementação de um projeto de financeirização da educação a longo prazo.







por Ergon Cugler



Em meio à tramitação da Reforma da Previdência e do debate da Reforma Tributária, o prazo para rediscussão do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) se acirra, quando nem mesmo as metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação (PNE) através da lei n° 13.005/2014 estão sendo cumpridas em sua totalidade e a desvinculação do orçamento da União para a educação é anunciada aos quatro ventos por Guedes.


Articulação calculada


Com a adoção do CAQi no PNE em 2014, tendo previsão de 2 anos para sua discussão e implementação, buscava-se a efetivação do regime de colaboração, especialmente no que se refere ao financiamento pela União, ainda tímido se comparado aos estados e municípios. Com as alterações bruscas no campo político e o rompimento democrático nas arenas de disputa em 2016, a valorização da educação passa a ser secundarizada, ao mesmo tempo que a crise política, institucional e econômica toma conta do país.

Enquanto hoje a quantidade de recursos arrecadados define a qualidade através de sua distribuição, com o CAQi e CAQ a lógica de financiamento da educação é invertida, estabelecendo a qualidade como determinante para o quanto de investimento o país deve fazer na educação. Tal imperativo não apenas ameaça o Estado mínimo de Paulo Guedes, mas especialmente assegura a educação enquanto responsabilidade normativa da agenda governamental - pauta que para o próprio Ministro da Educação, Abraham Weintraub, é ideológica e deve ser combatida.


Desvinculação do orçamento


Alinhada às movimentações no Conselho Nacional de Educação está a preocupação em garantir a PEC do Pacto Federativo - assim chamada por Guedes - que pretende desvincular a totalidade dos recursos da União. Neste contexto, há o esforço de de desobrigar o investimento do Estado inclusive na educação, submetendo a manutenção do Ensino Básico brasileiro às arrecadações do Fundeb (atualmente cerca de 60% da totalidade de recursos da educação básica), responsabilizando ainda mais os municípios e estados.

Na mais recente reunião de Guedes com secretários do Ministério, foi demonstrada urgência em tramitar a PEC do Pacto Federativo, propondo apresentar ao Senado em seguida do segundo turno da Reforma da Previdência, enquanto tramita, em paralelo pela Câmara dos Deputados, a Reforma Tributária. Sem detalhes muito claros, Guedes aposta na tramitação simultânea de pautas complexas enquanto estratégia de alinhamento programático rumo ao projeto de Estado mínimo.


Armadilha e narrativa


A meta do Governo Bolsonaro, em especial da agenda de Guedes, é criar terreno fértil para a financeirização da educação até 2025, quando vence o atual Plano Nacional de Educação (Lei n° 13.005/2014). Com impeditivos legais revogados (tal como CAQi e CAQ) e com o financiamento da educação desvinculado da União, a conta resta, quase que integralmente, aos municípios, abrindo brecha para a voucherização da educação e, por outro lado, para o discurso de captação de recursos privados para a manutenção do próprio Fundeb.

Na contramão, cabe buscar a responsabilização legal de pautas que limitem o Governo Federal de revogar os compromissos do Estado para com a educação, sendo estes previstos inclusive na Constituição, para o então cumprimento Pacto Federativo. Do estabelecimento do piso da educação nacional à constitucionalização do Fundo Social do Pré-sal e dos Royalties para a educação, a estratégia deve estar em assegurar as garantias normativas, somadas às intensas mobilizações e à ampla discussão das pautas educacionais na base. Utilizar, ainda, do próprio Plano Nacional de Educação, que em sua meta 20, por exemplo, resgata o papel do CAQi e da valorização do ensino básico brasileiro.

Ainda mais preocupante do que a permanência do Fundeb, caso aprovada a desvinculação total dos recursos da União, não apenas a educação pública estará em risco, mas também todos os programas e ações que historicamente reduzem desigualdades. Programas os quais proporcionam muito mais do que oportunidades, pois em casos de pobreza e miséria, possibilitam a sobrevivência.

Apesar de se eleger prometendo proteger a família brasileira, Bolsonaro se torna o maior responsável pela destruição desta mesma família, a qual, sem acesso à uma educação de qualidade que garanta o desenvolvimento do sujeito e a formação para a cidadania, continua submissa e vulnerável, tendo seu futuro destruído por um presente limitado.



* Ergon Cugler é pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), associado ao Observatório Interdisciplinar de Políticas Públicas (OIPP) e ao Grupo de Estudos em Tecnologia e Inovações na Gestão Pública (GETIP)




Fonte: Portal Vermelho



 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top