Bolsonaro veta atendimento psicológico e de assistência social nas escolas

Data de publicação: 14 Out 2019



De acordo com representantes, veto se soma à precarização no ensino público 




"O Brasil está vivendo vários retrocessos e esse é um dos grandes retrocessos que impedem, na verdade, a luta que nós defendemos para um Brasil melhor e com educação", contesta presidenta da Federação Nacional dos Assistentes Sociais



A decisão do presidente Jair Bolsonaro em vetar integralmente o Projeto de Lei da Câmara dos Deputados (PLC 60/2007), que exige a presença de psicólogos e assistentes sociais nas escolas públicas, é mais um retrocesso que reflete a precarização do ensino, segundo avaliam representantes dos setores de educação e psicologia em entrevista ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual.

Na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (9) foi publicado o veto presidencial à proposta, que previa a formação de equipes com profissionais para atender estudantes dos ensinos fundamental e médio, em prol da melhoria do processo de aprendizagem e das relações entre alunos, professores e a comunidade escolar. Segundo Bolsonaro, no entanto, o projeto não apresentava uma previsão de gastos e nem estabelecia uma fonte de recursos, o que o caracterizaria como “inconstitucional” e de “contrariedade ao interesse público”.

A presidenta da Federação Nacional dos Assistentes Sociais (Fenas), Margareth Alves Dallaruvera, discorda da avaliação do governo, que teve o aval dos ministros da Saúde e da Educação. “Nós, assistentes sociais e psicólogos estamos perplexos”, destaca Margareth. “O Brasil está vivendo vários retrocessos e esse é um dos grandes retrocessos que impedem, na verdade, a luta que nós defendemos para um Brasil melhor e com educação. Sem educação, nós não seremos um país desenvolvimento.”

“A verdade é que a presença de psicólogos e assistentes sociais traria possibilidades de compreensão política, social, cultural e histórica, o que não é interessante para esse projeto do governo atual”, contesta o professor universitário e psicólogo Ed Otsuka.

Agora a aposta dos representantes é que a sociedade civil faça pressão derrubar para o veto presidencial, que será analisado pelo Congresso Nacional.


Ouça a reportagem na íntegra:


 




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA 

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top