MS: Simpósio em Três Lagoas debate os desafios do sindicalismo na atualidade

Data de publicação: 7 Out 2019



Efeitos negativos das alterações legislativas no poder negocial das entidades sindicais e as possíveis estratégias de atuação dos órgãos fiscalizatórios foram algumas das questões levantadas em evento que agrupou diversos atores envolvidos com o tema.







Qual a realidade, a conjuntura e o cenário das negociações coletivas hoje no Brasil? A pergunta lançada pelo secretário de Educação da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria, José Reginaldo Inácio, no 1º Simpósio de Sindicalismo Sul-mato-grossense, provoca reflexões acerca dos desdobramentos que a nova estrutura sindical, conjugada com o atual modelo de seu financiamento, tem sobre a defesa dos direitos trabalhistas e o enfrentamento de condutas antissindicais.

Pós-doutor em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina, José Reginaldo Inácio dirigiu-se a uma plateia plural – de sindicalistas, trabalhadores, acadêmicos de Direito, membros e servidores de instituições públicas – para exteriorizar alterações advindas com a reforma trabalhista (Lei nº 13.467/2017) e que modificaram o relacionamento sindical de forma substancial. Três delas merecem destaque: flexibilização das relações de trabalho, redução do papel das entidades nas negociações coletivas e extinção da compulsoriedade da contribuição sindical. Sobre esses pontos, ele sublinhou algumas consequências danosas e que desencadearam readequações orçamentária, financeira e de protagonismo na tutela de direitos. Como exemplo, citou a equiparação das dispensas coletiva e individual, que passou a permitir a demissão em massa sem a necessidade de autorização prévia da entidade sindical.

Outra mudança retirou a obrigatoriedade do sindicato de participar da homologação da rescisão do contrato de trabalho com mais de um ano de duração. "A própria ideia da proteção se inverte: num tempo regido pela esquizofrenia, passa-se a acreditar que quanto menor ela for, mais empregos irá abrir, ou seja, maior ela será", avaliou José Inácio. Ainda segundo ele, os trabalhadores terceirizados constituem a casta mais exposta à precarização extrema e à ampla desproteção social, com condições remotas de qualquer possibilidade de previdência.

"As novas leis e o novo modo de produzir divide e dividirá cada vez mais a classe trabalhadora, diminuindo o seu poder/capacidade política e de mobilização para manter, conquistar ou criar direitos ou normas de proteção socioambiental", concluiu o pós-doutor em Serviço Social.

Autor do livro "Por um Sindicalismo Associativo: da solidariedade sindical internacional à Democracia nos locais de trabalho", o professor doutor Marcus de Oliveira Kaufmann abordou a estrutura normativa sindical entre a implosão do hoje e a reinvenção do futuro, fixando as fronteiras entre o antigo sindicalismo, que preferiu se acomodar de acordo com uma estratégia de ocupação da estrutura, e o novo sindicalismo, que se prepara para cumprir sua elevada missão, confiada pela Constituição da República, e, assim, consolidar a democracia.

Norma Sueli Padilha, pós-doutora em Ética Ambiental pela Universidade Estadual de Campinas, engrossou o renomado coletivo de palestrantes do simpósio. Abordou os desafios da tutela do meio ambiente de trabalho e sua primazia sobre a ordem econômica. De acordo com a pesquisadora, o equilíbrio dessa relação está ancorado em seis pilares: mudanças qualitativas do setor produtivo e sindical, avanços tecnológicos, adequada capacitação dos trabalhadores, combate à precarização do trabalho, redução dos riscos ambientais e eficiência da fiscalização. Mais adiante, reforçou que para alcançar qualidade de vida no trabalho é imprescindível compatibilizar desenvolvimento econômico com labor em condições seguras e salubres. E defendeu uma reanálise da responsabilidade e conscientização em torno dos riscos no trabalho, afastando a visão unilateral do processo produtivo e saúde trabalhador centrada na culpabilidade e focalizando as falhas no gerenciamento de riscos da empresa. "Qual o grau de autonomia dos trabalhadores no controle de riscos?", indagou.

Por fim, Ricardo Colturato Festi, doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas, com a tese "O Mundo do Trabalho e os Dilemas da Modernização: percursos cruzados da sociologia francesa e brasileira", destacou a trajetória mundial do sindicalismo e os impactos da IV Revolução Industrial, cujo dinamismo tem inspirado o Brasil a questionar seu atual modelo sindical frente a sistemas mais liberais, como o norte-americano, onde qualquer trabalhador pode sugerir a criação de uma unidade representativa.

O 1º Simpósio de Sindicalismo Sul-mato-grossense ocorreu no último dia 25 e integrou a semana jurídica do Centro Acadêmico do Curso de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). O evento foi organizado pelo Ministério Público do Trabalho em parceria com a universidade, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas de Três Lagoas e o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Três Lagoas e Região.

Ao longo do evento, representantes de sindicatos profissionais receberam exemplares da Revista MPT em Quadrinhos nº 34, edição sindicatos, para distribuição aos trabalhadores de suas categorias. A publicação esclarece dúvidas sobre o assunto e apresenta notáveis conquistas que decorreram da atuação sindical, como o direito ao aviso prévio, ao 13º salário e à irredutibilidade da remuneração, realçando ainda avanços relativos a jornadas adequadas e a melhores condições de saúde e de segurança no meio ambiente laboral.

O 2º Simpósio de Sindicalismo Sul-mato-grossense está previsto para o primeiro semestre de 2020. Acesse aqui a galeria de fotos do evento.




Fonte: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top