Suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

Data de publicação: 19 Jul 2019


Governo Bolsonaro suspendeu contratos que garantiam a produção e a distribuição sem custos de 19 medicamentos contra diversos tipos de doenças, entre elas, o diabetes.



Além de garantir a oferta de medicamentos, programa previa a transferência de tecnologia para laboratórios brasileiros



O Ministério da Saúde suspendeu 19 contratos de produção de medicamentos, que faziam parte das chamadas Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDP). São medicamentos para combate ao câncer, doenças hematológicas, inflamatórias e outras enfermidades raras, de marcas pertencentes a empresas internacionais, que eram produzidos por laboratórios nacionais públicos e privados e ofertados gratuitamente pelo SUS, atendendo a cerca de 30 milhões de brasileiros.

Para o deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, ainda que o governo afirme que vai adquirir os medicamentos “por outros meios previstos na legislação”, o fim das parcerias coloca a oferta em risco, no médio e longo prazo, e deixa o governo brasileiro refém da política de preços dos laboratórios internacionais.

“No passado, a gente já assistiu a situações como essa, como no caso da produção de insulina. Destruíram os laboratórios públicos, as indústrias nacionais, e então fizeram contratos com as marcas internacionais, num primeiro momento, com preços similares. Anos depois, a indústria começa a subir o preço, a partir da condição de monopólio, colocando em vulnerabilidade o fornecimento dos medicamentos”, ressalta Padilha, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, para o Jornal Brasil Atual, nesta quarta-feira (17).


Desenvolvimento industrial


Segundo o ex-ministro, o intuito das PDPs não era apenas garantir o fornecimento de medicamentos aos doentes, mas fortalecer a indústria farmacêutica nacional, com transferência de tecnologia, e criação de empregos. “Além do risco à saúde das pessoas, o governo está destruindo uma política de fortalecimento da indústria e da tecnologia no Brasil.”

Padilha também destacou que erros semelhantes na condução de políticas do ministério em problemas na distribuição da vacina pentavalente, colocando em risco a vida de milhões de bebês em todo o país. Às falhas de distribuição, somam-se as campanhas anti-vacina, movidos por movimentos da extrema-direita, afetando a proteção da população contra doenças graves.


Ouça a entrevista completa:


 




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top