‘O problema não é o déficit na Previdência, é o déficit de democracia’

Data de publicação: 11 Jul 2019


Governo libera emendas e recursos extras para deputados aprovarem "reforma". Para professor, "estão vendendo votos em favor dessa tragédia humanitária"



"Governo aposta que as pessoas irão morrer antes de aposentar, assim ele fará o ajuste fiscal", aponta professor sobre "reforma" da Previdência


Na tentativa de angariar apoio para a aprovação da “reforma” da Previdência, o governo Bolsonaro acelerou a liberação de emendas parlamentares que, de acordo com edição extra do Diário Oficial da União desta segunda-feira (8), totalizam quase R$ 1 bilhão. Mas, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, a negociação envolvendo a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019 pode chegar a R$ 5,6 bilhões.

Com o lote extra e sinais favoráveis, a votação do texto deve ter início nesta quarta-feira (10) no plenário da Câmara. Na avaliação do professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Eduardo Fagnani, as manobras do governo devem ter efeitos e a “reforma” deverá ultrapassar os 308 votos necessários para a aprovação.

“O problema não é o déficit na Previdência, é o déficit de democracia, porque não é comprando voto que você aprova uma medida que é uma tragédia humanitária”, critica Fagnani em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual. “Temos um déficit de democracia, temos um Parlamento que não representa a sociedade, essa que é a verdade. Quando você vê as grandes bancadas, como a do agronegócio, elas não representam (os interesses) da sociedade”, acrescenta o professor, incluindo a ausência de visões contraditórias sobre o tema da Previdência na mídia tradicional. “A imprensa não cumpre esse papel, o que a gente vê é uma lavagem cerebral cotidiana em cima de mentiras, de falsas verdades, fake news.”

Se aprovada pela Câmara, a PEC 6 irá ao Senado, onde será apreciada em agosto. Prevendo mudanças no regime de pensão, no acesso à aposentadoria por invalidez, aumentando o tempo de contribuição para acessar o regime de seguridade social, Fagnani destaca a importância da mobilização da sociedade e dos movimentos sociais e sindicais para barrar o projeto na íntegra. “O governo aposta que as pessoas irão morrer antes de aposentar, assim ele fará o ajuste fiscal. Na melhor das hipóteses, haverá uma massa de idosos não aposentáveis, pessoas que não conseguem cumprir as exigências”, contesta o professor.


Confira a entrevista abaixo:








Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top