Projeto de PM voluntária pode 'legalizar milícia' no Rio, avaliam especialistas

Data de publicação: 9 Jul 2019


Entre as polêmicas, medida prevê contratação de menores de 18 anos; projeto de lei é de autoria de deputado do PSL



Especialista em Segurança Pública, professora da UFF diz que proposta desvaloriza profissionais da área / André Gomes de Melo/ GERJ



por Eduardo Miranda
edição de Mariana Pitasse




Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), a deputada Renata Souza (Psol) disse, em entrevista ao Brasil de Fato, que o Projeto de Lei 825/2019, de autoria do deputado Alexandre Knoploch (PSL), para criar a Polícia Militar Voluntária é inconstitucional e atende a grupos de “justiçamento”. A parlamentar também afirma que a proposta desvaloriza o trabalho de policiais treinados e pagos pelo Estado.

“É um projeto absurdo e inconstitucional, que pretende legalizar a milícia, além de grupos de “justiçamento”. Afinal, o trabalho da Polícia Militar não é voluntário ou mesmo em troca de favores. São profissionais, agentes públicos testados e aprovados pelo Estado para desempenharem essa função pública de assegurar a segurança e a vida. O que se pretende é uma aberração jurídica e social”, disse a deputada do Psol.

Professora do Departamento de Segurança Pública da Universidade Federal Fluminense(UFF), Jacqueline Muniz classificou a proposta como “ingênua”, demonstra desconhecimento sobre as atribuições da polícia e vem a ser uma medida “que requenta, de forma piorada e amadora, o projeto ‘Reservistas da Paz’, criado por Anthony Garotinho quando era governador, e que foi um fiasco”.

Para a deputada estadual do Psol, a medida incentiva “aventureiros”. “Ser policial para aplicar a lei necessita estudo, treinamento e preparação, e para isso não podemos incentivar aventureiros, nem na polícia nem na política”, afirma Renata Souza, que foi uma das parlamentares responsáveis por denunciar em maio o governador Wilson Witzel (PSC) à Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização dos Estados Americanos (OEA) após um sobrevoo de helicóptero em que a polícia realizou disparos contra uma comunidade em Angra dos Reis.


Juventude pobre


Um dos pontos mais polêmicos do projeto prevê o emprego de menores de idade atuando na Polícia Militar. Para a categoria “Junior”, para jovens a partir dos 16 anos, “ficam vedadas atividades urbanas” e o uso de armamento. O Policial Militar Voluntário Júnior poderá receber como remuneração um salário-mínimo do Estado.

Jacqueline Muniz, que é vinculada ao Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos (InEAC), enumerou uma série de pontos críticos ao PL de Knoploch. Dentre eles, ela aponta para o fato de que “a ideia por trás desta bravata legislativa é um projeto de poder tutelar e elitista que visa manter a juventude pobre confinada sob cerco ou dentro da cerca, de modo a mantê-la, sem futuro, subalterna, precarizada e excluída do mercado de trabalho, impedida do acesso aos bens sociais, culturais e políticos”.




Fonte: Brasil de Fato

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top