Mais fraco, setor de serviços volta decepcionar pela terceira vez seguida

Data de publicação: 8 Jul 2019


O IHS Markit informou que o PMI de serviços do Brasil subiu a 48,2 em junho, de 47,8 em maio, mas ainda assim permaneceu abaixo da marca de 50, que separa crescimento de contração. ““O setor privado do Brasil está em uma encruzilhada”, afirmou a economista do IHS Markit Pollyanna De Lima.



O setor de serviços é considerado o motor da economia, mas está cada vez mais pressionado


A atividade no setor de serviços brasileiro registrou contração em junho pelo terceiro mês seguido, puxada pela queda no número de novas encomendas, em meio a questões políticas e econômicas e à fraqueza da demanda, segundo a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada na quarta-feira (03/07).

O IHS Markit informou que o PMI de serviços do Brasil subiu a 48,2 em junho, de 47,8 em maio, mas ainda assim permaneceu abaixo da marca de 50, que separa crescimento de contração.

Em junho, a indústria brasileira se fortaleceu e mostrou crescimento, o que ajudou o PMI Composto do Brasil a subir a 49,0 em junho, de 48,4 no mês anterior, mas ainda abaixo da marca neutra pelo segundo mês seguido.

— O setor privado do Brasil está em uma encruzilhada com o aumento das dificuldades políticas, financeiras e econômicas. Após fracas expansões em 2017 e 2018, o crescimento econômico começou a fraquejar — afirmou a economista do IHS Markit Pollyanna De Lima.


Redução


Segundo ela, os dados do PMI para o segundo trimestre sugerem que a situação da atividade econômica piorou ainda mais após contração do Produto Interno Bruto (PIB) nos três primeiros do ano, alimentando temores de recessão.

As vendas agregadas de serviços sofreram em junho a primeira contração desde setembro de 2018, sendo que as novas encomendas do exterior chegaram ao quarto mês de redução.

“Empresas que notaram uma redução nas vendas comentaram sobre as condições políticas, financeiras e econômicas desafiadoras. Um cenário incerto e demanda fraca também seguraram a entrada de novos trabalhos”, explicou o IHS Markit.

As empresas de serviços no país reduziram a força de trabalho, diante da queda nas vendas e esforços de reestruturação, bem como falta de fundos disponíveis. A taxa de cortes de empregos foi a mais forte em dez meses, e somente as empresas de Finanças e Seguros contrataram no mês.




Fonte: Correio do Brasil com informações da Agência Reuters

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top