Relatório aprovado da ‘reforma’ da Previdência coloca a conta sobre o trabalhador, diz Dieese

Data de publicação: 8 Jul 2019


Segundo Clemente Ganz Lúcio, apesar de mudanças no novo texto, problema de financiamento não será resolvido e aumentará a desigualdade social




Uma das provas de que a reforma não atinge todas as classes, segundo o Dieese, é a isenção previdenciária para exportadores do setor rural



A “reforma” da Previdência vai a plenário da Câmara, após a aprovação do relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6, na Comissão Especial, nesta quinta-feira (4). Apesar de possuir algumas alterações, o texto ainda coloca a ‘economia de R$ 1 trilhão”, principal argumento dos apoiadores da proposta do governo Bolsonaro, na conta do trabalhador, avalia o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio.

Ele lembra que o relatório ainda mantém grande parte do projeto original, como a idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres. “É uma reforma que coloca todo o ônus sob os trabalhadores, tanto os do regime geral quando os servidores. Os trabalhadores estão pagando a conta do governo e o aumento da arrecadação virá do bolso dos servidores públicos, que pagarão mais contribuição à Previdência”, disse o analista à Rádio Brasil Atual.

Uma das provas de que a reforma não atinge todas as classes, segundo o Dieese, é a isenção previdenciária para exportadores do setor rural. Segundo economistas, a tributação poderia reverter cerca de R$ 80 bilhões para a economia, mas foi rejeitada pela bancada ruralista.  “Os exportadores do setor rural não pagarem INSS, que é uma classe muito rica, é outro absurdo. Os ruralistas não querem pagar a Previdência, isso é a desigualdade materializada no projeto”, criticou o diretor do Dieese.

Clemente lembra que o projeto substitutivo aprovado incorpora mudanças importantes comparado ao projeto original, especialmente referente a exclusão da capitalização. Por outro lado, ele avalia que a reforma não resolve o problema do financiamento. “Continuará se agravando, daqui para frente, e o próximo governo vai continuar apresentando novas propostas de mudança na Previdência, já que a informalidade tende a aumentar no mercado de trabalho”, lamenta.


Ouça a íntegra do comentário


 










Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top