A Batalha de 14 de Junho

Data de publicao: 17 Jun 2019


A Greve Geral Unificada Contra a Reforma da Previdência se provou um movimento vitorioso. É preciso ter claro que a greve não é, tão-somente, a paralisação de atividades em si, mas todo o processo de informação, conscientização, mobilização e participação dos trabalhadores e trabalhadoras. Fábricas e postos de serviços paralisados são uma expressão de greve, não o seu resultado.



Verdadeiro resultado da greve é o novo texto base da Reforma da Previdência, muito menos agressivo que o original



por Marcelo Arias



O verdadeiro resultado da greve é o novo texto base da Reforma da Previdência, muito menos agressivo que o original. O relator da Reforma na Câmara Federal, deputado Samuel Moreira, “derrubou” vários pontos criticados pelo movimento grevista.

O novo relatório elimina o sistema de capitalização; não obriga estados e municípios às regras federais; diminui a idade e o tempo de contribuição para aposentadoria rural; mantém as regras para o Benefício de Prestação Continuada (BPC); recolocou as exigências para o abono salarial em níveis razoáveis; melhora as regras de transição; diminui a idade mínima para mulheres, servidoras e professoras; mantém a obrigatoriedade de reajuste anual pela inflação; mantém a Previdência no texto constitucional. Esse é o verdadeiro resultado da Greve Geral. A suavização da reforma é vitória da resistência da classe trabalhadora.






Sun Tzu, renomado estrategista, dizia que a suprema arte da guerra é ganhar uma batalha sem disparar um tiro. Foi o que aconteceu neste 14 de junho de 2019.

Apesar da batalha ganha, a guerra ainda não acabou. As regras para cálculo dos benefícios ainda são duras e penosas para os trabalhadores; alguns benefícios ainda possuem restrição ao acesso; a acumulação entre pensão e aposentadoria, tão comum entre viúvas, ainda sofre impedimentos; alguns deputados ainda querem enfiar a reforma goela abaixo dos estados e municípios; e o mais importante: os verdadeiros privilegiados não foram atingidos.






A classe trabalhadora precisa continuar se movimentando pois ainda existem outras batalhas a travar. Que estas continuem sendo vencidas sem disparar um único tiro.



* Marcelo Arias é especialista em Gestão Pública.





Fonte: Portal Vermelho

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top