Reformas, falácias e estagnação

Data de publicação: 7 Jun 2019


Se o conjunto do empresariado investir, a demanda cresce, elevando lucros. Mas o empresário individual tende a ser cauteloso, esperando que esta dê sinais de crescimento antes de investir. Ao fazê-lo, torna a retomada econômica apoiada na confiança uma ilusão





por Emilio Chernavsky



Durante meses, analistas de mercado exibiam – e muitos ainda exibem – otimismo em relação a que a aprovação da reforma da Previdência, se não for excessivamente desidratada no Congresso, levará ao aumento da confiança dos investidores, à queda da percepção de risco e das taxas de juro e, com isso, à expansão dos investimentos privados impulsionando a retomada da economia.

Apesar de repetido à exaustão, esse raciocínio já foi empiricamente refutado no exterior e mesmo recentemente no Brasil, quando o aumento da confiança que se seguiu à aprovação do teto de gastos não aumentou os investimentos. A frustração não deveria surpreender, dada a falácia da divisão que ele carrega, atribuindo às partes uma propriedade do todo.

De fato, se o conjunto do empresariado investir, a demanda agregada cresce, absorvendo a expansão da produção resultante dos investimentos e elevando os lucros totais. Já se o empresário individual investir, mas o movimento conjunto não ocorrer, o aumento da produção resultante do seu investimento não será absorvido pela demanda, estagnada, e seus lucros cairão. Sabendo disso, o empresário tende a ser cauteloso, esperando que a demanda dê sinais de crescimento antes de investir. Mas, ao fazê-lo, torna a retomada econômica apoiada no aumento da confiança uma ilusão.

O empresariado, por sua vez, tem cultivado sua própria ilusão, aspirando a que a reforma tributária que se anuncia complemente a reforma trabalhista e reduza seus custos, impulsionando com isso a retomada do crescimento.

Ao pensar assim, contudo, ele incorre na falácia da composição, atribuindo ao todo uma propriedade das partes. De fato, se o empresário individual pagar menos salários e tributos, seus lucros tendem a crescer e podem induzi-lo a investir para expandir a produção. Já se o conjunto dos empresários pagar menos salários e tributos em um contexto de estagnação e crise fiscal, a queda da renda das famílias reduz o consumo privado e a queda das receitas do governo reduz o consumo e investimento públicos, contraindo a demanda agregada, as vendas e os lucros totais, desestimulando o investimento e bloqueando a retomada apoiada na redução de custos.

Os sistemas previdenciário e tributário no Brasil possuem numerosas disfunções e são importantes fontes de desigualdade e ineficiência. Por isso, reformas que os aperfeiçoem são certamente necessárias. Mas, ao contrário do que induzem raciocínios falaciosos, não são elas que trarão os quase 18 milhões de desempregados e desalentados de volta ao trabalho, arrancando a economia da estagnação. Sem um impulso decisivo do governo à demanda, esta não deve perdurar. 



* Emilio Chernavsky é doutor em economia pela USP




Fonte: Brasil Debate


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top