A economia brasileira no fundo do poço. Qual é a saída?

Data de publicação: 4 Jun 2019


O PIB caiu de forma drástica, o desemprego se elevou acentuadamente e os empresários perderam os parâmetros para realizar investimentos





por João Sicsú



Nas últimas semanas alguns economistas começaram a falar que a economia brasileira estaria em estado de depressão. Parece que a avaliação começa a se tornar mais realista. Quase todos abandonaram a ideia da recuperação lenta. Alguns falam de estagnação dando uma ideia difusa do que pensam. A turma que fala de estagnação confunde suas vontades com realidades.Trimestre após trimestre, desde 2014, a economia vem mostrando fraquezas. A taxa média de crescimento de 3% do período 2011-2013 foi perdida. A economia mergulhou no fundo do poço após dois anos de agudas recessões (2015 e 2016). A partir de 2017, estacionou na depressão.

A depressão é um estado da economia que tem algumas características específicas. O PIB caiu de forma drástica, o desemprego se elevou acentuadamente e os empresários perderam os parâmetros para realizar investimentos. Predomina a paralisia que é a melhor defesa diante de uma economia que é desconhecida. Estamos dentro da economia da depressão (PIB retraído e desemprego elevado por mais de 16 trimestres).

A depressão não é uma condição de curto termo que pode ser facilmente superada pela ação empresarial ou de consumidores. Empresários perderam a capacidade de formar expectativas sobre o futuro ou quando formam tais expectativas, elas são pessimistas. Ainda há o caso daqueles que formam expectativas otimistas, mas que não são capazes de colocar um centavo para apostar no seu otimismo.

A depressão tem características econômicas, mas tem acima de tudo características comportamentais. Consumidores perderam a capacidade de consumir seja devido ao desemprego seja devido à expectativa de desemprego. Empresários também tiveram perdas, mas além disso não têm esperanças porque não conseguem decifrar o mundo econômico novo que estão vivendo.

Esses comportamentos são capazes de explicar a situação em que se encontra a economia brasileira. Não são revelados indícios seja de um colapso total, seja de uma recuperação conectada com uma expansão. O que ocorre é que a economia revela a cada trimestre taxas pífias, para cima ou para baixo, de crescimento do PIB e do investimento. Os gráficos mostram a queda acentuada do investimento e do PIB (de 2014 a 2017) e depois evidencia subidas e quedas tênues até os dias de hoje.


Sem surpresas


As quedas do PIB (de -0,2) e do investimento (de -1,7%) do 1º trimestre de 2019 não foram surpresas. Mas se ocorressem subidas, isso também não deveria surpreender. Seria surpresa se as taxas fossem elevadas e positivas tanto para uma variável quanto para outra. Em estado de depressão isso não acontece, tais taxas precisariam estar correlacionadas com um comportamento empresarial arrojado.

Não é possível sair da depressão sem uma decisão política de governantes a favor de um plano grandioso de investimentos públicos. Foi assim nos 1930, quando Franklin Roosevelt aplicou o New Deal nos Estados Unidos. Mas como disse Paul Krugman: “Na Grande Depressão, os líderes tinham uma desculpa: ninguém realmente compreendia o que estava acontecendo nem sabia como resolver a situação. Os líderes de hoje não têm essa desculpa. Temos tanto o conhecimento quanto as ferramentas para acabar com esse sofrimento”.

O maior problema da economia brasileira talvez não seja a depressão, mas sim o diagnóstico que está errado e, ainda mais sério, mas em consequência, as ferramentas estão sendo utilizadas de forma incorreta.

Nos Estados Unidos, quando a economia entrou em depressão nos anos 1930, o presidente era Robert Hoover. As palavras de Joseph Stiglitz sobre aqueles anos são ilustrativas, parecem que foram ditas para o Brasil de hoje: “[Muitos] deram apoio a Andrew Mellon, o secretário do Tesouro do presidente Robert Hoover, e à sua tentativa de restaurar o equilíbrio fiscal: a recessão causara uma queda na arrecadação de impostos mais acelerada que a dos gastos. Para restaurar a ‘confiança’, segundo acreditavam os conservadores fiscais de Wall Street, era necessário cortar gastos, um após o outro.”

No lugar de gastar realizando investimentos públicos, o governo brasileiro somente anuncia novos cortes de gastos. O resultado alcançado será o mesmo de Hoover. A situação tende a permanecer por mais alguns anos. A sorte dos norte-americanos foi que Roosevelt sucedeu Hoover e soube compreender a gravidada da situação e aplicou as ferramentas corretas.

Gastos públicos são necessários e talvez sejam a única saída não porque são suficientes para fazer o PIB crescer de forma significativa, mas sim porque tem influência sobre o comportamento empresarial que passará a ter novos parâmetros de avaliação.

A máquina tem que ser religada pelo governo realizando investimentos. Em seguida, as outras peças entrarão em funcionamento. Empresários, então, passariam a formar expectativas otimistas e poderiam voltar a apostar em suas esperanças. Mas o governo tem que dar o exemplo.








* João Sicsú é professor do Instituto de Economia da UFRJ, foi diretor de Políticas e Estudos Macroeconômicos do IPEA entre 2007 e 2011.




Fonte: CartaCapital

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top