TST: prescrição de ação trabalhista deve ser contada a partir do diagnóstico da doença

Data de publicação: 4 Jun 2019


Processo contra a Eternit havia sido anulado ainda na primeira instância. Trabalhador recebeu diagnóstico de doença compatível com exposição ao amianto.



Sexta Turma do TST determinou que primeira instância reabra processo contra empresa



A prescrição de uma ação trabalhista deve valer a partir do diagnóstico da doença, decidiu a Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) ao determinar que a primeira instância julgue ação de um ex-funcionário da Eternit dispensado em 1996. O processo havia sido extinto pela 64ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, por entende que a prescrição era “evidente”, já que o contrato se encerrara 20 anos antes.

Ocorre que em 2012 esse trabalhador, um servente, empregado da Eternit desde 1973, foi diagnosticado com doença decorrente da exposição ao amianto. A Fundação Oswaldo Cruz emitiu um laudo médico apontando espessamento pleural, “doença compatível com a exposição ao amianto e reconhecida como incapacitante e altamente lesiva”.

Em 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu a produção e comercialização do amianto no país. Um grupo de parlamentares tenta fazer com que a Corte reveja sua decisão.

A Sexta Turma entendeu que, como se trata de caso em que a doença só foi conhecida depois da vigência da Emenda Constitucional 45/2004, deve ser aplicada a prescrição quinquenal (prazo de cinco anos para abertura de ação), conforme jurisprudência do TST. A reclamação foi ajuizada em abril de 2016, ainda dentro desse prazo.  A EC 45 transferiu para a Justiça do Trabalho competência para julgar pedidos de danos moral em decorrência de acidentes do trabalho ou doença profissional.

Foi o caso desse ex-trabalhador, que pediu pagamento de indenização por danos morais e materiais, alegando que a empresa não havia adotado as medidas de proteção necessárias, nem informado os funcionários sobre possíveis efeitos. “Segundo o servente, a Eternit escondia os resultados de exames médicos periódicos e demissionais que denunciavam a propagação da doença entre os empregados”, diz o TST.

A Vara do Trabalho decidiu extinguir o processo, em decisão que foi ratificada pela segunda instância (Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, no Rio).  Já a Sexta Turma do TST anulou a prescrição e determinou que o processo volte à primeira instância, para julgamento do mérito.

No início deste ano, a Eternit informou que deixou de usar a crisotila (amianto) como matéria-prima na produção de telhas. A substituição por fibra sintética foi feita gradualmente.





Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top