Brasil vira economia de atravessadores financeiros na nova arquitetura de poder!

Data de publicao: 3 Jun 2019




por Nailton Francisco de Souza



Em 1999 foi revogado o Artigo 192 da Constituição Federal de 1988 que Regulamentava o Sistema Financeiro Nacional, após isso, os brasileiros (as) passaram a gastar mais com pagamento de juros do que com o produto adquirido via financiamento, principalmente, se utilizar o limite do cheque especial ou o rotativo do cartão de crédito.

De acordo com dados do Banco Central, em março de 2005 a dívida das famílias equivalia a 19,3% da renda familiar. Dez anos depois, a dívida acumulada representou 46,5%. O crediário é o causador desta triste realidade por cobrar 141,12% de juros ao ano na compra de Artigos do Lar; o cheque especial 300% e o rotativo do cartão de crédito 450%.

Em países desenvolvidos estes juros não ultrapassam 20% ao ano. Ou seja, esta nova arquitetura de financiamento conseguiu colocar na lista de pessoas inadimplentes 39% da população brasileira e fazer com que 58,3 milhões delas ficassem com o nome sujo, segundo o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Os novos mecanismos de exploração da população por bancos e outros intermediários financeiros, causam danos aos trabalhadores (as) e a economia do Brasil que perde forças para sair da crise. Na medida em que o sistema produtivo opta em lucrar mais na ciranda financeira e na compra de títulos da dívida pública.

Com esta prática a economia não aquece o país não desenvolve e o desemprego cresce cada vez mais. Segundo o IBGE, o número de desempregados em abril deste ano atingiu 13,2 milhões de pessoas, que representa 12,5% da população ativa, mais os 4,9 milhões de desalentados que já desistiram de procurar emprego.

Atualmente o total de pessoas ocupadas é: 92,4 milhões, divididas entre empregados com carteira assinada (33,1 milhões); sem carteira assinada no setor privado (11,2 milhões) e os que trabalham por conta própria (23,9 milhões). Na visão da Organização Internacional do Trabalho (OIT), porém, o governo Bolsonaro não será capaz de reverter os altos índices de desocupação e informalidade no mercado de trabalho.

Hoje, 46% da população economicamente ativa do Brasil já estão no trabalho informal, com salários baixos, escassos benefícios e acesso limitado à proteção social. Parte desse cenário deve ser atribuída aos retrocessos do governo Michel Temer (MDB), como a reforma trabalhista e a lei da terceirização irrestrita.

No relatório “Perspectivas do Emprego e Questões Sociais de 2019”, a instituição indica que, com a morosa recuperação da economia, o ciclo de desemprego no País deve se estender por, no mínimo, mais dois anos. Como as vagas abertas tendem a ser essencialmente informal, a crise é tanto de quantidade como de qualidade.

Estima-se que o crescimento da economia brasileira será 2,4% em 2019 – uma recuperação que, por ser lenta, poderia até justificar um percentual tão elevado de desempregados em longo prazo. Mas o fato é que nem mesmo países da América do Sul que enfrentam recessão econômica, como a Venezuela e a Argentina, têm índices similares de desocupação.

Se concretizar a projeção da OIT, o Brasil terá nada menos que 12,7 milhões de desempregados ao final de 2020 – portanto, na metade do governo Bolsonaro. Para agravar a situação, os postos de trabalho a serem abertos padecerão, invariavelmente, de dois males: a informalidade e a má qualidade – um traço comum, de resto, ao conjunto da América Latina e do Caribe.

De acordo com a OIT, um mercado de trabalho predominantemente informal provoca insegurança jurídica e econômica, além do aumento da pobreza e da desigualdade. Em países cujas leis não dão garantia sequer ao chamado “trabalho decente”, o emprego pouco melhora a qualidade de vida do trabalhador. Com os acenos de Bolsonaro a reformas ultraliberais da Previdência aponta para uma precarização crescente das condições de trabalho no País.

Lutar por condições decentes de vida, por maiores salários, o movimento sindical precisa assumir a luta pelo salário indireto por meio de políticas públicas, e a luta contra os juros extorsivos que faz com que a população, principalmente a de baixa renda, pague o dobro ou o triplo na aquisição de um produto.



* Nailton Francisco de Souza é Diretor Nacional de Comunicação da Nova Central e Secretário de Assuntos dos Trabalhadores da Manutenção do SindMotoristas – SP





Fonte: Blog Profissão Transportes


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top